À conversa com Bogdan Dide, artista plástico

Bogdan Dide é um artista plástico ímpar, com um estilo muito próprio, cria obras surpreendentes. Desde muito cedo que se sentiu fascinado pelas cores, pela luz e traços que via nas obras de artistas e que faziam voar a sua fértil imaginação de criança.

Nesta entrevista Bogdan Dide, fala-nos do seu percurso de vida e do seu trabalho que, desde 2015 desenvolve no nosso país, como artista plástico.

 

“Através da sensibilidade e da incessante busca de algo novo, através da evolução e da conjugação da estética com as linhas do meu próprio pensamento criei o “Cavalo Lusitano”, em 2017, podendo ser visto na Galeria MAC- Movimento Arte Contemporânea de Lisboa”

 

Bogdan Dide fala-nos da sua viagem no mundo das artes.

 

O encantamento nos olhos de uma criança

O meu interesse pela pintura começou a manifestar-se por volta dos 13 anos, algo mais tarde do que normalmente acontece e, confesso, acidentalmente.

Posso lembrar que na visita a uma exposição de um artista local, ficara impressionado e verdadeiramente fascinado com tudo o que via em meu redor, deixando em mim uma irresistível vontade de aprender a desenhar e poder criar quadros e figuras tal como se apresentavam perante os meus olhos fascinados com tanta luz e harmonia de traços verdadeiramente feitos de magia!

Foi o encantamento nos olhos de criança! Nesse mesmo dia, voltando a casa, iniciei traçando linhas e cores que me bailavam na imaginação. Comecei por traçar a lápis, depois com tintas de guache…únicas que tinha acesso, mas suficientes para iniciar alegres combinações de movimento e cor de um mundo que me brotava da alma.

 

A imaginação e sonhos não cabiam no mundo em que vivia

O meu irmão, mais velho, observava-me e começava a descobrir que o meu mundo estava a tornar-se pequeno para tanta imaginação carregada de sonhos e fantasia oferecendo-me um conjunto de tintas a óleo “Nevskaya Palette”, vindas de São Petersburgo, que eram utilizadas por pintores consagrados.

Fiquei verdadeiramente apaixonado por este jogo de tintas! Eram incríveis! Tinham um cheiro especial! Um brilho e colorido sem igual! Ainda hoje guardo este fascínio e este amor de infância. Verdadeira paixão nascida da alma e guardada no meu coração, até aos dias de hoje.

 

 

Das paisagens aos retratos que corriam mundo

O tempo foi passando e eu fiel a uma pintura clássica, sempre rica e cheia de contornos e beleza. Pintava paisagens, natureza-morta, retratos, enfim abraçando tudo o que era belo e me chegava pelos olhos da alma. Sobretudo pintei inúmeros retratos, ocupando grande parte do meu trabalho artístico. Talvez, terei pintado mais de quinhentos retratos! Poderei afirmar que tenho quadros espalhados um pouco por todo o mundo. Os meus retratos encontraram lar em muitos países, desde a Rússia, á China, Áustria, Alemanha, Itália, Portugal, Canadá, EUA….
Retrato, óleo s/tela, 30x40cm, obra de Bogdan Dide
Retrato, óleo s/tela, 30x40cm

 

A obra “Cavalo Lusitano” de Bogdan Dide

Hoje, residindo em Portugal desde 2015. Adoro este País que tão bem me acolheu e onde encontrei tantos novos amigos e sinto ser a continuação da terra que me viu nascer. Uma gente simples e afectuosa, belo clima e um oceano imenso perto da minha porta! Novos amigos, com destaque para o Vítor Morais, que me ajudou a abrir um atelier a que dei o nome de Atelier de Pintura de Corroios. Ali trabalho, crio e dou aulas. Aqui, iniciei a criação do meu próprio estilo.

Através da sensibilidade e da incessante busca de algo novo, através da evolução e da conjugação da estética com as linhas do meu próprio pensamento criei o “Cavalo Lusitano”, em 2017, podendo ser visto na Galeria MAC- Movimento Arte Contemporânea de Lisboa.

 

A obra “Cavalo Lusitano” de Bogdan Dide
“Cavalo Lusitano”, óleo s/tela, 50x70cm, 2017

 

 

O papel interventivo e transformador da arte de Bogdan Dide

A partir daí, o meu estilo tem vindo a evoluir e a desenvolver-se através da evolução constante e na busca de cada vez maior identidade, focando-se em animais cada vez mais raros e espécies em extinção, chamando a atenção de cada um para valores da natureza que se encontram em risco de desaparecer e a necessitar de um grito de alerta. Esta a minha forma de gritar e fazer chegar a mensagem, mais além!

Através do meu estilo, feito de alerta, vou criando imagens de animais e elementos da natureza descritas como espíritos, parecendo fantasmas, dissolvidos numa junção com a natureza, florestas ou gramíneas da vida selvagem.

Estão contidas nas minhas memórias da infância, nos bosques que eu percorri, no entrelaçado de galhos, nas gramíneas, trepadeiras, folhas e tudo o que os meus olhos de criança conseguiram guardar e o tanto quanto a minha imaginação de hoje pode trazer para a tela numa criação de colorido e movimento.

 

"Lince-ibérico", obra de Bogdan Dide. (Coleção particular).
“Lince-ibérico”, óleo s/tela, 50x70cm, 2018, Bogdan Dide. (Coleção particular).

 

 

Ervas, flores e criaturas encantadas nos trabalhos de Bogdan Dide

Na série de trabalhos e criações utilizo detalhes de galhos, ervas e flores, num emaranhado de fantasia, misto de criaturas e seres saídos de bosques e oceanos, criando estéticas sem o rigor do esquadro e das linhas rectas. Na minha imaginação surgiram imagens de criaturas de fantasias.

Criando e construindo mosaicos de detalhes, reproduzi imagens de animais e coisas de vida. E, nesta caminhada, tornou-se penoso afastar da pintura clássica e poder percorrer o bosque e as veredas com fantasia genuína.

 

"Araras-azuis", óleo s/tela, 70x90cm, 2018, Bogdan Dide. (Coleção particular).
“Araras-azuis”, óleo s/tela, 70x90cm, 2018, Bogdan Dide. (Coleção particular).

 

 

Bogdan Dide um artista que não se deixa aprisionar por regras 

E, posso lembrar o meu grande Mestre Picasso: «Desde nino pintaba como Rafael pêro me llevó toda una vida a aprender a dibujar como un niño». Acho que ele quis dizer que para as crianças não existem regras de pintura e que a criatividade delas é a verdadeira fantasia.

E, o artista é o criador. Aquele que realiza a fantasia e cria algo novo. Por tudo, admiro a obra de Pablo Picasso. O Grande Mestre.

"Pablo Picasso", óleo s/tela, 70x80cm, 2019, Bogdan Dide.
“Pablo Picasso”, óleo s/tela, 70x80cm, 2019, Bogdan Dide.

 

Da mesma forma que aprecio o trabalho de alguns artistas contemporâneos. Incluem-se os artistas portugueses tais como Vhils e Bordalo ll. Ambos com trabalhos inspiradores. Mostrando que utilizando uma quantidade mínima de materiais é possível criar obras que transcendem e se tornam grandiosas. Também, eu, me sinto inspirado no campo da arte urbana. E, começo a incluir nos meus trabalhos recentes uma mescla de arte urbana adaptada à minha interpretação e técnica.

 

Não criar limites e evoluir indefinidamente é o objetivo de Bogdan Dide

A minha técnica e o meu estilo estão em permanente evolução e faço os possíveis para aperfeiçoar e tornar ainda mais enriquecido. O importante é não perder a criatividade e não criar limites e deixar que evolua indefinidamente. Isto deixa-me feliz! Transporta-me para os bosques da minha infância e faz-me descobrir imagens míticas saindo da minha própria alma.

Vertendo para a tela num acto criativo e belo, elevando-se aos céus e transformado em arte. E, a arte é o meu amor. A minha alma. A minha vida.

 

 

Página do Facebook de Bogdan Dide 

Instagram de Bogdan Dide: @bogdandide

 

Veja aqui uma pequena galeria de imagens de obras de Bogdan Dide

Também pode gostar

1 comentário

Deixar uma resposta