À conversa com Duarte Burnay, artista plástico

Duarte Burnay

Duarte Burnay, é um jovem artista para quem “A pintura é uma aventura incrível” e que encontra nos espaços comuns das cidades uma grande fonte de inspiração.

 

 “O propósito da Arte é lavar a poeira da vida quotidiana das nossas almas.”

Pablo Picasso

Obra do artista Duarte Burnay
Duarte Burnay: A identidade pessoal surge de formas e maneiras diferentes de artista para artista, sendo isso o que nos identifica e nos move a pintar o que sentimos.

 

Duarte Burnay, como e quando no seu jovem percurso de vida, decide que a sua paixão é a arte e resolve estudar pintura?

Muito obrigado por me entrevistarem.
Penso que foi quando decidi seguir a área de Artes Visuais no secundário, nessa altura já gostava muito de desenhar e não tive dúvidas de que era a área certa para mim. Durante os três anos do secundário fui desenvolvendo as minhas capacidades e interesse pelo desenho e só um pouco mais tarde pela pintura. Lembro-me de passar muitas aulas teóricas em sala de aula a rabiscar no meu diário gráfico, desenhos de professores e colegas para me “entreter”, foi um hábito que decidi ir levando mais a sério com suportes e escalas cada vez maiores. Aos poucos fui começando as minhas primeiras telas. Foi nessa altura que me senti pleno em relação à pintura. Quando acabei o 12º ano a minha primeira opção foi o curso de Pintura na faculdade de Belas-Artes em Lisboa, onde neste momento frequento o 4º e último ano.

 

Encontrar a sua identidade enquanto artista é um percurso necessário. Considera que no panorama cultural atual, com tantos artistas que procuram afirmar-se, é fácil fazer este percurso e ocupar o seu próprio espaço na arte?

Independentemente da identidade artística, no panorama cultural atual não é fácil essa afirmação. Com tantos artistas a querer ocupar o seu espaço na arte, são poucos os que têm o devido reconhecimento. Mas tudo é possível com talento e trabalho. A identidade pessoal surge de formas e maneiras diferentes de artista para artista, sendo isso o que nos identifica e nos move a pintar o que sentimos.

 

 Quais as técnicas e materiais que mais gosta de utilizar nas suas obras?

Os materiais que mais gosto de utilizar são a tinta acrílica e o pastel de óleo. Gosto de fazer experiências com materiais novos e diferentes do que estou habituado.
Duarte Burnay um jovem e talentoso artista
Duarte Burnay: “Os materiais que mais gosto de utilizar são a tinta acrílica e o pastel de óleo.”

Já realizou vários Murais – Os espaços comuns das cidades, são a sua galeria de arte preferida para expor ao público a sua arte e, são também a sua fonte de inspiração?

Os espaços comuns das cidades são sem dúvida uma grande inspiração para mim.

A arte urbana em Lisboa é uma mais valia para dar valor e distinção à cidade, proporcionando a sensação de um espaço em constante evolução, contemporâneo e moderno.

Porém, são os ateliers, museus e exposições que completam essa inspiração. Tudo o que fui e vou aprendendo com os murais e trabalhos de grande escala procuro transportar para as minhas telas em atelier. Essa ligação é o meu principal foco.

 

Mural de autoria de Duarte Burnay
Duarte Burnay: “A arte urbana dá asas a uma série de qualidades relativamente aos enfoques cognitivos e à organização das cidades

 

A arte de urbana pode tornar surpreendentes os espaços mais inesperados. Para si a arte urbana também pode ser interventiva transmitindo críticas sociais, políticas e económicas?

A arte urbana dá asas a uma série de qualidades relativamente aos enfoques cognitivos e à organização das cidades, ou seja, é a estrutura artística urbana que oferece novos padrões e influencia a interação com a população e o espaço público, bem como as suas tomadas de decisão no tocante a áreas como a política e a economia.

Estes elementos conjugam-se para formar uma estrutura visual urbana que ajuda a definir a estética de uma cidade. No entanto, essas áreas (política e economia) a meu ver não devem ser apenas e só, o foco principal de um mural, mas essa ligação é uma das muitas vertentes do movimento.
Mural - obra de Duarte Burnay
Duarte Burnay: “A arte urbana dá asas a uma série de qualidades relativamente aos enfoques cognitivos e à organização das cidades…”

O facto de a arte urbana ser efémera, torna-a mais desafiante para os artistas?

A arte urbana é sem dúvida passageira e traz com isso os seus desafios. O desgaste natural é rápido e inevitável e exige uma constante reinvenção. Cada um destes espaços conta assim várias histórias por detrás de cada camada de tinta. Sendo, portanto, o maior desafio tornar os nossos trabalhos memoráveis.
Magnifica obra de Duarte Burnay
A arte urbana é sem dúvida passageira e traz com isso os seus desafios.

Quem são as caras que dão vida ao Maria 16, espaço onde trabalha com outros artistas? Sente que desenvolve e solidifica qualidades num espaço com outros artistas moradores?

Tenho o enorme privilégio em poder ter um espaço para trabalhar como o Maria 16. O espaço dá lugar a mais cinco artistas, somos todos de disciplinas diferentes e gostamos de colaborar entre nós.

Desde a marcenaria, representada pela Apewood de João Bernardino, estúdio de fotografia e escultura por parte de Francisco gomes, pintores como Sofia Cruz e Paulo Albuquerque, e ainda a têxtil Hedo Atelier, este é um espaço onde tornamos possível as nossas ideias e onde podemos ser nós plenos. Sinto que grande parte da minha evolução artística foi graças a estas quatro paredes e à forte influência destes artistas.

Quais os seus planos para o futuro?

Os meus planos para o futuro passam por não parar de aprender, evoluir e pintar tudo aquilo que sinto. Vou investir ao máximo na minha pintura, e se possível expandir o meu conhecimento no estrangeiro.
Obra de Duarte Burnay um jovem artista
Duarte Burnay: “Cada um destes espaços conta assim várias histórias por detrás de cada camada de tinta.”

Duarte Burnay, este espaço é seu, quer dizer algo que ficou por dizer ou simplesmente deixar alguma mensagem aos jovens futuros artistas ou ao público em geral?

Olhando para o meu percurso até então, o que gostava de salientar é a importância da constante experimentação a nível plástico. Todo o contacto com os diversos materiais e modos de encarar a pintura é importante e necessário.

A pintura é uma aventura incrível.

 

Instagram do artista Duarte Burnay:  @duarte.burnay

Espaço Maria 16 @mariadezasseis

Também pode gostar

Deixar uma resposta