Á conversa com … É p’ra amanhã – Uma série documental

Semear ideias!

Na nossa caminhada temos procurado encontrar pessoas que, por este ou aquele motivo, têm vidas inspiradoras que queremos partilhar e através do nosso blogue, dar a conhecer e fomentar vontades de Fazer Acontecer a mudança na vida das pessoas.

Felizmente são muitas as pessoas que se cruzaram no nosso caminho com histórias reais meritórias de partilha. Concedem-nos entrevistas que consideramos ser uma mais-valia pelo conteúdo das suas histórias. Forma que encontrámos para motivar e estimular o outro a sair da sua própria inércia, a viver uma vida mais feliz e comprometida com tudo o que nos rodeia.

Semear “É p’ra Amanhã”

O lema do nosso blogue é Aqui e Ali liga-nos aos que nos rodeia, onde incluímos a sustentabilidade na vertente humana, económica e ambiental. Através da imprensa tivemos conhecimento do projeto “É p’ra Amanhã”, uma série documental, o qual consideramos ser de relevo na promoção da sustentabilidade ambiental. Conta-nos o que de melhor se faz em Portugal para construir um futuro mais sustentável. Magnifico!

De imediato suscitou-nos curiosidade e vontade de falar com esta equipa, constituída por seis jovens portugueses (Pedro Serra, Luís Costa, Francesco Rocca, Edgar Rodrigues, Teresa Carvalheira e Verónica Silva) e de os desafiar para uma entrevista escrita.

Entre Aqui e Ali siga o exemplo. Seja positivo, celebre os sucessos de outros e inspire-se rumo ao seu.

Em primeiro lugar pedimos para se apresentarem individualmente referindo a motivação de cada um para formar a equipa.
Que bela equipa de jovens e que belo projeto!

Durante vários meses fomos 5 nesta equipa, até percebermos que precisávamos de alguém com experiência em comunicação. Foi aí que se juntou a Verónica Silva. Assim ficou completa esta equipa tão versátil e cheia de energia!

O nascimento desta ideia e a formação desta equipa tem uma história engraçada por detrás: o Pedro Serra, realizador de dois documentários de temática ambiental – “Que estranha forma de vida” (2014) e “Wasted Waste” (2017) – estava a apresentar este último documentário no Impact Hub Lisbon e, uns minutos antes do filme começar, foi desafiado muito rapidamente a fazer uma espécie de “Demain Português”, pelo Luís Costa. O Luís nunca tinha ajudado a fazer um documentário, no entanto, o Pedro respondeu logo afirmativamente e começaram a procurar interessados em fazer crescer esta ideia.

O Luís começou a coordenar o projeto e convidou o Francesco Rocca, com experiência em investigação de produtos sustentáveis para países em desenvolvimento e o Edgar Rodrigues, designer freelancer para dar identidade a este projeto. O Pedro conhecia a Teresa Carvalheira, que desenvolve trabalho na área da moda e consumo sustentável e foi um passo natural começar a gerir este projeto.

Durante vários meses fomos 5 nesta equipa, até percebermos que precisávamos de alguém com experiência em comunicação para um projeto desta escala. Foi aí que se juntou a Verónica Silva, com vasta experiência em audiovisual, criação de conteúdos e televisão. Assim ficou completa esta equipa tão versátil e cheia de energia!

Falem-nos um pouco de como nasceu, quem foi o mentor e qual a filosofia do projeto?

O Luís já há algum tempo que alimentava o sonho de fazer uma versão portugeusa do Demain. Mas o projeto só começou a tornar-se realidade após a primeira conversa com o Pedro. Depois disso a equipa começou a crescer e começou-se a construir uma visão geral para o projeto. Esta visão passa por criar uma série que inspire, pela positiva, todas as pessoas a adotarem estilos de vida sustentáveis. É muito importante para nós tentar chegar a pessoas que estão menos informadas e conscientes dos desafios ambientais da atualidade, e mostrar que existem muitas pequenas ações que qualquer um pode fazer no seu dia-a-dia. Acima de tudo, queremos mostrar que todos temos um papel a desempenhar na crise ecológica atual.

Quem é o parceiro ou promotor do projeto?

“O promotor do projeto é a Circular Economy Portugal, uma associação portuguesa que visa contribuir para uma sociedade sem desperdício. Acreditou em nós desde o primeiro momento.”

 

O promotor do projeto é a Circular Economy Portugal, uma associação portuguesa que visa contribuir para uma sociedade sem desperdício. Foram quem acreditou em nós desde o primeiro momento, e é em grande parte graças a eles que este projeto se tornou tão rapidamente uma realidade. Como principal parceiro temos depois o Impact Hub Lisbon, que, quer por ter sido onde o projeto nasceu, quer por estar muito alinhado com os nossos objetivos, acabou por se tornar muito naturalmente um aliado do nosso projeto. Muito importante também, é que este projeto é cofinanciado pela União Europeia e pelo Camões I.P., no âmbito do projeto NO PLANET B – AMI, linha de financiamento em consórcio internacional para a implementação de ações efetivas em alterações climáticas e vida sustentável (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável 11, 12 e 13).

De projeto passa a programa, uma série documental com o nome “É p’ra amanhã”. Pode explicar a escolha?

Queríamos de alguma forma manter uma ligação ao documentário que nos inspirou – Demain, Amanhã – mas ao mesmo era importante para nós haver uma ligação mais próxima à cultura portuguesa, e por isso tomámos a liberdade de utilizar as palavras celebrizadas pelo António Variações. Melhor ainda, acreditamos que este título reflete também a urgência do problema. Não é para daqui a um mês, nem daqui a um ano, É P’ra Amanhã.

A opção do programa é falar sobre os problemas ambientais de forma positiva muito diferente dos parâmetros habituais. Qual a razão?

“pessoas informadas e bastante motivadas para agir, inspiradas por ver que muitas outras pessoas também já estão a fazer o mesmo.”

 

Uma visão mais negativa e catastrófica do tema tende a paralisar as pessoas, tende a fazer sentir-nos impotentes. O problema é grave, disso não duvidamos, mas pode ser mostrado de outra maneira, neste caso do ponto de vista das soluções. O resultado, no segundo caso, é que as pessoas ficam igualmente informadas, mas saem bastante mais motivadas para agir, inspiradas por ver que muitas outras pessoas também já estão a fazer o mesmo.

De certo modo podemos afirmar que o programa é uma amostra daquilo que pode ser o futuro, o nosso amanhã?

É o que esperamos! As pessoas e iniciativas que vamos encontrar já criaram soluções para muitos dos principais desafios ambientais da atualidade. Acreditamos por isso que o futuro passa por cada vez mais pessoas adotarem estas soluções para as suas vida. É por isso de extrema importância que os exemplos que vamos mostrar ofereçam realmente uma alternativa viável para aquilo que pode ser a nossa sociedade de amanhã.

O que distingue o seu programa de outros que falam sobre os problemas ambientais?

“A principal imagem da marca do documentário é a sua visão positiva sobre os desafios ambientais que enfrentamos”

A principal imagem da marca do documentário é a sua visão positiva sobre os desafios ambientais que enfrentamos.  Isso por si só já é uma grande diferença para a maioria dos programas que abordam este tema. Mas queremos ir mais longe, queremos mostrar que já existem muitas pessoas em Portugal a dar o exemplo, que essas pessoas são pessoas perfeitamente normais, e que todos podemos criar uma mudança positiva à nossa volta. Muitas vezes as pessoas até querem fazer algo mais, mas não sabem o que fazer, esperamos que o É P’ra Amanhã responda a essa questão.

Tiveram de fazer “o trabalho de casa” e descobrir as iniciativas e projetos positivos no âmbito da sustentabilidade. Construíram uma base de dados, seguramente. Ficou algum projeto para trás ou escolheram apenas os mais relevantes? Qual ou quais os critérios de seleção?

A ideia inicial foi incluir tantos projetos quanto possível na nossa base de dados, por isso tentámos não fazer nenhuma seleção dos projetos que nos foram chegando. Na próxima fase teremos de fazer a seleção dos projetos que vão aparecer na série, e essa sim já será uma tarefa muito ingrata.  Os critérios ainda não estão totalmente fechados, mas estes são os que temos pensados até agora: 1) A finalidade do projeto contribuir para a transição para uma economia sustentável, através de impactos ambientais, sociais ou económicos positivos.  2) A natureza e os responsáveis pelo projeto serem inspiradores / motivadores para os espectadores do filme, em particular para as novas gerações 3) O projeto ser viável, ou parecer viável, tendo já um impacto elevado, um potencial de expansão e/ou replicabilidade.

“procura de projetos e pessoas, para um amanhã mais sustentável”

De qualquer modo, encontramo-nos até dia 15 de Fevereiro à procura de projetos e pessoas que existem em Portugal e que já estão a contribuir para um amanhã mais sustentável. Temos disponível um formulário para fazer esta recolha em https://www.epraamanha.pt/crowdsourcing.html .

Os intervenientes escolhidos com iniciativas positivas são já conhecidos no mercado nacional ou são totalmente desconhecidos, mas fazem um bom serviço em prol da sustentabilidade do planeta?

O nível de visibilidade das iniciativas não será um critério de seleção, pelo que esperamos ter projetos com que muitas pessoas talvez estejam já familiarizadas, mas também muitos que serão boas surpresas para a maioria das pessoas.

Podem explicar como irá decorrer o programa e qual a sua duração?

Ainda não temos fechada qual será a duração de cada episódio, nem quantos episódios teremos. A ideia que já temos há alguns meses mais fechada é que tentaremos que cada episódio aborde um sub-tema específico dentro da sustentabilidade (alimentação, energia, etc).

Na vossa opinião, o que pode a nova geração oferecer para a resolução dos problemas ambientais? Estão empenhados ou ainda há muita coisa por fazer, nomeadamente na área da educação? Que iniciativas positivas encontraram nesta área?

As novas gerações são normalmente as que mais dinâmica trazem para criar mudança na nossa sociedade. Mas este é um problema de toda a sociedade, e por isso também a solução deve ser um esforço coletivo da parte de todos. Ao nível da educação, sabemos de muitos agrupamentos que já estão dar cada vez mais importância a este questão junto dos seus alunos, mas ainda não nos debruçámos com mais atenção sobre os casos concretos que existem. Embora esperamos ter novidades!

Alguma vez sentiram dúvidas em relação ao trabalho que estavam a realizar e á preparação das filmagens? Pensaram em desistir ou nunca foi opção?

Trabalhámos no projeto durante muitos meses sem qualquer apoio financeiro. O ritmo era bastante mais lento, porque todos tínhamos outros trabalhos, mas sempre acreditámos que o projeto ia ser feito, com ou sem financiamentos, demorasse mais ou menos tempo. Por isso foi uma surpresa tão boa quando o nosso esforço e acreditar foi premiado com a aprovação de financiamento por parte do “No PLANet B” (AMI) com co-financiamento do Instituto Camões e da União Europeia.

Tem conhecimento de projetos idênticos existentes lá fora? E o resultado final foi positivo?

O nosso projeto é inspirado pelo documentário francês Demain de 2015, no qual um grupo de amigos vai à procura de soluções de sustentabilidade pelo mundo todo. Em 2018 é lançado um documentário com o mesmo mote, mas apenas para a região de Genébra, na Suiça. Em 2019 é a vez de Portugal, com o É P’ra Amanhã. Até à data, não sabemos de nenhum outro país onde também se esteja a trabalhar num projeto semelhante.

Nada é produzido e realizado sem financiamento. Como angariaram fundos para fazer face aos custos inerentes ao projeto? Ou quais os parceiros económicos que permitiram transformar um projeto em programa?

O nosso projecto foi um dos vencedores do financiamento “No PLANet B” da AMI. Bolsa essa que financa 90% do nosso orçamento total. A campanha de crowdfunding serviu depois para financiar o restante montante. Inicialmente definimos o objetivo de crowdfunding de 3500€, porque nos aconselharam a ter os pés na terra e a não ser demasiado ambiciosos. Acabámos por obter 6825€ com a campanha, o que nos permitiu ter já o projeto todo financiado. São excelentes notícias porque assim podemos focar-nos a 200% no essencial e não estarmos tão preocupados com a nossa sustentabilidade financeira.

Querem deixar alguma mensagem motivadora a quem nos lê para que procurem ativamente promover o bem-estar de todos no meio ambiente que nos rodeia?

“Não é preciso sermos super heróis para criar uma mudança à nossa volta, é só preciso darmos o primeiro passo, tudo o resto vem depois.”

 

Existem muitas pessoas que já estão todos os dias a trabalhar para uma sociedade mais justa. São elas que nos inspiram, e por isso queremos mostrar as suas histórias a todos portugueses. Não é preciso sermos super heróis para criar uma mudança à nossa volta, é só preciso darmos o primeiro passo, tudo o resto vem depois.

É p’ra Amanhã – Série Documental

Também pode gostar

Deixar uma resposta