Os Portugueses no Mar

A costa portuguesa é extensa, possui belas praias de areais dourados e falésias que nos assombram pela sua configuração. Cada caminho que percorremos junto ao mar salgado, respirando uma brisa fresca faz-nos sentir renovados e em ligação ao que nos rodeia.

Com uma costa de mar abundante em peixe, vários estuários de rios e alguns acidentes geográficos, como as rias Formosa e a de Aveiro, a pesca, foi desde tempos antiquíssimos, uma atividade económica com algum relevo em Portugal cujas origens remontam a épocas anteriores às dos conquistadores. A imensidão do mar significa a abundância dos cardumes e o contributo para um pescado na mesas dos portugueses.

Não nos esquecemos que a preservação das espécies deve ser uma preocupação de todos. Em particular, apoiamos o “Modelo de Política Sustentável e Responsável de Peixe para Supermercados”,  para que seja possível manter a prática da pesca indefinidamente sem afetar as espécies alvo e sem ter impactos negativos noutras espécies do ecossistema.

 

IMG_3046Fotografia retirada no Porto de pesca artesanal da Zambujeira do Mar.

Quer seja grelhado quer seja confecionado de outra forma, gostamos de sentir a frescura do peixe e aquele sabor que perdura nas receitas da nossa gastronomia nacional.

IMG_5626Fotografia retirada no Restaurante Dona Bia na Comporta

 

Nas várias zonas piscatórias os pescadores saem de madrugada para o mar e as suas mulheres ficam nos seus afazeres. Sabemos que os pescadores têm experiências de vida difíceis e muitas vezes dramáticas, resultante do trabalho árduo e arriscado. A este propósito, recordemos Fernando Pessoa em o “Mar Portugês”.

No entanto, o prazer de saborear um prato de peixe é tão rico e saudável. Não menosprezando outros pratos de carne e vegetarianos que temos disponíveis na nossa gastronomia rica em sabores.

O Mar Português
Ó mar salgado, quanto do teu sal
São lágrimas de Portugal!
Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
Quantos filhos em vão rezaram!
Quantas noivas ficaram por casar
Para que fosses nosso, ó mar!
Valeu a pena? Tudo vale a pena
Se a alma não é pequena.
Quem quere passar além do Bojador
Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo deu,
Mas nele é que espelhou o céu.
“Na água revolta, pesca o pescador”… inspire-se e leve!

Também pode gostar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *