Cicloviagem por pistas coloridas – de Aveiro a Santa Comba Dão

Publicidade

Cicloviagem por pistas coloridas desde Aveiro a Santa Comba Dão, foi uma aventura vivida e contada por Inês Sarti. Passou 4 dias a viajar de bicicleta sozinha, pedalou cerca de 200km passando por ecopistas com 4 cores diferentes – Ecopista do Vouga e Ecopista do Dão, ambas antigas linhas ferroviárias.

Não paguei pelas 3 noites que dormi fora de casa e as paisagens que vi durante o caminho, foram espectaculares!

As viagens em bicicleta são ecológicas e muito económicas!

 

A viagem e os locais que visitei – Uma cicloviagem por pistas coloridas

Dia 0 | Aveiro

Paragem obrigatória na Casa da Bicicleta, para conhecer os projectos da Associação Ciclaveiro e os cicloactivistas locais.

Casa da Bicicleta
Estes são os Piratas de Aveiro, um grupo de crianças acompanhadas por 2 monitores, que têm durante as férias uma ocupação de tempos livres alternativa. A Casa da Bicicleta é o seu ponto de encontro.

Dia 1 | Aveiro a Oliveira de Frades

Pelos passadiços de Cacia/Ria de Aveiro, observa-se o sapal e as espécies características. Vi tantos flamingos!

Passadiços de Cacia/Ria de Aveiro
Pelos passadiços de Cacia/Ria de Aveiro

Um desvio para visitar o Miradouro da Nossa Senhora do Socorro. Após esta grande subida, tive a sorte de poder entrar no posto de vigilância da GNR.

Miradouro da Nossa Senhora do Socorro
Posto de vigilância da GNR

Em Sernada do Vouga é onde começa a ecopista do Vouga, que se faz ao longo da antiga linha ferroviária do Vouga. Também se pode começar a cicloviagem neste local, tem estação de comboio.

 

Sernada do Vouga é onde começa a ecopista do Vouga
Ecopista do Vouga, Km 0

A paisagem nos primeiros km da ecopista Sernada do Vouga é só espectacular, e a bicicleta passa mesmo pelos túneis onde antigamente passavam os comboios!

Uma cicloviagem por pistas coloridas com paisagens deslumbrantes
Paisagem -Ecopista do Vouga

Ecopista Sernada do Vouga passa mesmo pelos túneis onde antigamente passavam os comboios!

Esta ecopista vai até Viseu, mas ainda não está completa, pelo que muitos troços são de areia e pedra. Em alguns locais, preferi ir pela estrada pois o piso era mais confortável e havia pouco trânsito automóvel.

 

Dia 2 | Oliveira de Frades – Vouzela

Após outra grande subida, uma visita ao Poço Azul de Santa Cruz da Trapa, dá para refrescar com a sua água gelada, e também aproveitar para tirar o pó da roupa (que foi sempre a mesma durante toda a viagem).

Encantada com o Vouga
Para lavar a roupa de forma ecológica durante a cicloviagem, basta passar a roupa pela água do poço ou rio, sem químicos, para causar o menor impacto possível nas espécies que lá habitam.

 

Uma cicloviagem por pistas coloridas contada por Inês Sarti
Encantada na ecopista do Vouga!

 

Nas Termas de São Pedro do Sul, aproveitei para fazer uma massagem ao corpo todo, com duche quente de águas termais, muito bom para relaxar depois das subidas!

Dia 3 | Vouzela – Santa Comba Dão – Cicloviagem por pistas coloridas

Em Viseu, entra-se na ecopista do Dão, que, ao contrário da do Vouga, é sempre a descer e por piso liso, uma maravilha para a pedalada (se for de Santa Comba para Viseu será a subir, mas é uma inclinação leve…).

Cicloviagem por pistas coloridas - Piso Vermelho
Piso vermelho: município de Viseu

 

Cicloviagem por pistas coloridas - Piso verde
Piso verde: município de Tondela

 

Cicloviagem por pistas coloridas - Piso Azul
Piso azul: município de Santa Comba Dão

Para banhos de água morna, fiz uma paragem em Nagozela, na praia fluvial nas Marmitas de Gigante do Rio Dão.

Praia fluvial
Praia fluvial nas Marmitas de Gigante do Rio Dão

As dormidas

Ao todo, dormi 3 noites fora de casa, e não gastei dinheiro. Utilizei contactos da plataforma Warmshowers, uma rede tipo Couchsurfing, mas exclusivo para viajantes em bicicleta, e fiquei a dormir na casa dessas pessoas, também pernoitei no terreno da Srª Luísa, uma senhora muito simpática que me deixou lá montar a tenda, e ainda no antigo edifício de uma junta de freguesia, cujos locais me emprestaram a chave.

Nada disto estava planeado, é ir de viagem e deixar acontecer!

 

Linhas ferroviárias do Vouga e do Dão

Ao longo das ecopistas, vamos encontrando elementos que nos lembram que nestas vias passavam os comboios: pedaços de carris, carruagens-museus, estações desactivadas e transformadas em espaços de lazer.

Preparar a viagem

Intermodalidade:

Conjugar a bicicleta com o comboio tem sido a minha escolha nas últimas viagens, pois permite ir para cidades distantes em pouco tempo, permitindo viajar por Portugal de modo confortável. Comprando o bilhete online, marca-se lugar com bicicleta. É possível em todos os comboios intercidades, em alguns regionais… O transporte é gratuito e não é necessário desmontar a bicicleta, o que é muito bom para quem percebe pouco de mecânica (nos autocarros desmonta-se e paga-se um extra).

Estação de Aveiro
Estação de Aveiro – O transporte da bicicleta é gratuito

 

Nesta viagem apanhei dois comboios, um de Lisboa para Aveiro, e o de regresso, de Santa Comba Dão para Lisboa.

Estação comboio Santa Comba
Estação de Santa Comba Dão
Roteiros GPX:

Antes de cada viagem, descarrego sempre alguns roteiros GPX para o telemóvel, dos locais onde pretendo passear. Vou-me seguindo por esses caminhos, na aplicação Osmand, que funciona em offline. Assim, vou com o telemóvel em modo de avião enquanto sigo por esses trajectos – economiza bateria e internet.

Os roteiros podem ser descarregados no Ecovias.pt por exemplo. Nesta viagem utilizei os GPX das Ecovias 3 e 8 (https://ecovias.wixsite.com/home).

Bagagem:

Cada pessoa irá escolher transportar coisas diferentes, consoante o tipo de viagem que faz: se vai acampar ou ficar em hotéis, cozinhar ou comer em restaurantes, fazer subidas ou caminhos de inclinação suave, se vai para relaxar ou contar kilómetros, se vai com companhia ou a solo… A bagagem a levar numa bicicleta depende do equilíbrio entre o esforço que estamos dispostos a fazer, da verba que existe para gastar e do tipo de viagem que queremos ter.

Quando se vai de viagem em bicicleta, o intuito é transportar o mínimo peso possível, pois todo o peso será transportado pelo nosso esforço.

Este foi o meu kit para esta cicloviagem, em modo pernoita com tenda de campismo e sem material para cozinhar.

Cicloviagem

(:www.instagram.com/p/CRjmnyMsbFh ]

 

Resumo técnico
  • 200 km total em bicicleta convencional
  • 2000m de subida acumulada
  • 1800m de descida acumulada
  • Mapa da viagem.
Os meus trajectos:

Trajetos cicloviagem

 

www.strava.com/activities/5665157298

www.strava.com/activities/5671017018

www.strava.com/activities/5675277745

 

Inês Sarti Pascoal

Julho 2021

http://inessartipascoal.pt/

Também pode gostar

Leave a Reply