Cláudia Correia e a Escola Le Cordon Bleu, em Madrid

"A cozinha permite multiplicar por milhões os momentos de felicidade
 que proporciono aos outros e essa felicidade – a minha e a dos outros - 
será maior, quanto maior for a minha experiência."

Á conversa com …

Pode-se contar pelos dedos de uma mão, há quantos anos conheço a Cláudia Correia. Mulher dotada de sólida formação académica, profissional e humana, uma jurista metódica e versátil mas acima de tudo uma mulher empreendedora, obstinada, determinada e amiga do seu amigo. Bastante nova mas já com uma vida plena de experiências, procurou sempre encontrar o caminho para atingir o sucesso. Hoje é, sem sombra de dúvida uma mulher bem-sucedida, comprometida com o Fazer Acontecer.

Foi no mundo do trabalho que a conheci. Eu mais velha ela bem mais nova, tenho de confessar que no início coloquei algumas reticências às suas competências, ela pouco faladora e eu muita atenta ao desempenho das funções que lhe cabiam em sorte. Mas depressa reconheci as suas capacidades e a empatia não se fez esperar e tornámo-nos amigas.

A vida aproximou-nos, trabalhamos juntas até que por questões meramente profissionais e porque a vida é feita de escolhas cada uma seguiu o seu próprio caminho. O destino juntou-nos uma vez mais e as redes sociais fizeram o resto. Falei-lhe deste meu projeto, a criação deste blogue com umas amigas e ela falou-me do dela, da sua nova paixão – acabou de obter o diploma de Pastelaria no Le Cordon Bleu, uma instituição reconhecida mundialmente por fornecer o mais alto nível de instrução culinária.

Fiquei fascinada. É um exemplo que nos enriquece e que gostaríamos de partilhar com os nossos seguidores porque diz o lema do nosso blogue Hucilluc – Aqui e Ali liga-nos ao que nos rodeia, “Vamos crescer partilhando!”, numa modesta tentativa de iluminar a vida das pessoas à nossa volta, em harmonia com os nossos valores pessoais e coletivos.

É neste contexto que lançamos este repto à Cláudia, para que, numa simples e simbólica entrevista nos incite a vontade de libertar os nossos sonhos e a determinação necessária para correr a colocá-los em prática e, de certo modo, contribuir para a inspiração de outras pessoas levando-as à transformação da sua vida na concretização da felicidade individual e coletiva.

Aqui fica a conversa escrita. Leia, leve e inspire-se!

flores rosa

Nós: Conte-nos um pouco da sua história. Neste momento vive em Madrid, o que a levou até lá? E o que faz?

Cláudia: Bem… a minha história passa por vários países e por experiências tão diferentes! Tenho a felicidade de já ter vivido e trabalhado em quatro países diferentes, sempre trabalhando como advogada e agora estou em Madrid. Vim em janeiro deste ano, por motivos familiares.

Hoje, tenho essa sorte, consigo conciliar num único cargo a advocacia e a cozinha, trabalhando para a AmoChef (uma plataforma digital que permite, a pessoas que gostam de explorar novas culturas através da cozinha, curiosas por gastronomia e por novas experiências – foodies -, contractar, em diferentes cidades do mundo, uma experiência culinária, com um chef, no conforto das suas casas). Já agora, passem pelo site https://amochef.com/ e vejam as diferentes experiências!

Nós: Gostar de doces é normal e dá felicidade … quem não gosta?! Porque se candidatou ao Le Cordon Bleu? Era uma paixão antiga, descobriu-a recentemente ou apeteceu-lhe viver uma aventura?

Cláudia: A cozinha foi, para mim, uma revelação. Há cerca de um ano percebi que tinha que parar e reflectir sobre a minha felicidade. Perceber onde e quando me sentia plena, feliz e realizada e foi aí que a cozinha se revelou. Todos os momentos em que estava a cozinhar (e não obrigatoriamente doces), sentia-me “de bem com a vida”. Mas porquê? Pensei eu. Concluí que é na cozinha que me encontro “inteira”, que ali estou eu concentrada e feliz, a testar, a inventar e a criar. A cozinha permite multiplicar por milhões os momentos de felicidade que proporciono aos outros e essa felicidade – a minha e a dos outros – será maior, quanto maior for a minha experiência. Por isso, fiz vários pequenos cursos de pastelaria, decoração de bolos, modelagem, etc. e depois decidi candidatar-me ao Le Cordon Bleu (“LCB”), em Madrid, para ter uma experiência mais exigente e profissional. Estudar na LCB foi uma experiência incrível. Senti-me excecionalmente privilegiada por aprender, todos os dias, com alguns dos melhores chefs do mundo.

Nós: Pode-nos contar um pouco da história de uma das mais conceituadas escolas de culinária parisiense – o Le Cordon Bleu, e a sua evolução, nos dias de hoje, para uma rede de institutos com uma nova filosofia?

Cláudia: Claro. A Le Cordon Bleu é uma das mais antigas e prestigiadas escolas de culinária do mundo. Está presente em 20 países, com 35 escolas e, por lá, já passaram vários alunos que se tornaram chefs conceituados, incluindo portugueses!

Nós: Diploma na mão tem por isso facilidade acrescida em desenvolver um trabalho no mundo tão vasto da doçaria. Tem algum projeto de doçaria, ou outro, em mente e que queira ou possa partilhar e dar a conhecer ao mundo?

Cláudia: Não quero ficar-me pela pastelaria. Quero conseguir formar-me também em cozinha e os meus planos para o futuro passam por aí. Não sei quando vou conseguir concretizá-los mas sei que vou conseguir.

Nós: Neste ramo tão específico da doçaria, quais os seus interesses? Doçaria tradicional portuguesa, ou não, e/ou internacional?

Cláudia: A doçaria tradicional portuguesa é incrível, tanto em técnica como em sabor. Gosto de explorar todos os tipos de pastelaria e doçaria e, quando possível, conciliar receitas de vários países e criar uma nova!

Nós: O facto da sua área de formação ser Direito sente que essas duas áreas apesar de tão diferentes se complementam, e a tornam uma pessoa mais feliz?

Cláudia: Para mim, pessoalmente, complementam-se e sou feliz em ter as duas áreas. Gosto dos desafios intelectuais que o Direito me traz diariamente e gosto da criatividade e da adrenalina da cozinha. Na verdade, quase uma década como advogada ensinou-me uma ferramenta super importante na cozinha: gestão do stress.

Nós: Esta área, como em muitas outras, virou moda, proliferam livros, lojas, blogues, programas de tv … – o boom das receitas e de “chefes. Acha que existe espaço para desenvolver trabalho nesta área e ter sucesso?

Cláudia: Acho que este “boom” é excelente para quem quer desenvolver a sua carreira nesta área e permitirá, certamente, a muitas mais pessoas ter a sua oportunidade. Eu sou bastante optimista e acho sempre que se te esforçares e te tornares incrivelmente bom naquilo que fazes, conseguirás sempre ter sucesso.

Nós: Como e onde vai buscar as ideias de receitas, são experiências suas, dicas que tira daqui e dali, receitas que surgem do “nada”, do seu trabalho de “invenção”? Prova-as, não será uma experiência deveras calórica?

Cláudia: As minhas fontes de inspiração são imensas. Recorro sempre aos livros clássicos, inspiro-me vendo o trabalho de chefs no Youtube (há canais incríveis!), no instagram, em blogues, etc. Revejo receitas da família, receitas antigas, gosto muito de provar coisas novas, sabores diferentes, viajar e conhecer os países pela sua cozinha e fazer experiências aproveitando todas estas fontes! Provo sempre, em pequenas quantidades, para limitar o “estrago”.

Nós: Comer um doce é uma necessidade por vezes incontrolável mas também pode ser um ato social. O que fazer para reduzir as quantidades de açúcar numa receita e tornar um doce saudável?

Cláudia: Eu acho que um “doce saudável” não existe. Podemos recorrer a novas tendências, como a da cozinha crua ou recorrer a substitutos do açúcar refinado mas nunca será inteiramente saudável. Substituir o açúcar refinado por tâmaras ou mel, resulta em muitas receitas e permite reduzir bastante.

Nós: Pode deixar aqui uma receita, sua ou não, para adoçar e aguçar o apetite aos nossos seguidores e a nós?

Cláudia: O que me dizem de uma mousse de limão com base de bolacha? Esta foi a última receita que fiz. Pode, facilmente, ser feita sem glutén e sem lactose.

Ingredientes para a base:
200 gr de bolachas de aveia
80 gr de manteiga

Comecem por triturar as bolachas. Adicionar a manteiga às bolachas e misturar bem, até que tenhamos uma mistura arenosa mais compacta. A manteiga deve ser adicionada bastante amolecida, quase derretida!
Untem o fundo de uma forma amovível (uma forma de 18 ou 20 cm, para bolos) com manteiga e cubram o fundo com um círculo de papel vegetal, para garantir que conseguimos desenformar com facilidade.
Vertam o preparado da bolacha para a forma e com as mãos, ou com a ajuda de uma colher, espalhem de forma uniforme até que cubra, por completo, o fundo. É importante que se pressione um pouco, para garantir que tudo está bem ligado. Coloquem no frigorifico enquanto preparam a mousse.

Ingredientes para a mousse:
5 gemas de ovo
100 gr de açúcar
Sumo de 4 limões médios
Raspa dos 4 limões
1 colher de sopa de farinha maizena
3 folhas de gelatina incolor
¾ de uma taça de água (aprox. 80 gr de água)
5 claras de ovo
50 gr de açúcar

Hidratar as 3 folhas de gelatina nos ¾ de uma taça de água. Reservar.
Numa outra taça comecem por misturar, com as varas manuais, as 5 gemas com os 100 gr de açúcar. Bater com as varas até que mude ligeiramente de cor. Adicionar a raspa, o sumo de limão e a maizena. Atenção para que não se criem grumos de maizena. Verter este preparado para uma panela e levar ao lume. Cozinhar até que comece a engrossar, mexendo sempre com as varas.
Retirar do lume, adicionar as folhas de gelatina com a toda a água em que estiveram a hidratar, misturar bem e deixar arrefecer esta mistura por completo.
Bater as 5 claras de ovo em castelo, com os 50 gr de açúcar.
Dica: adicionem o açúcar quando as claras já estiverem quase batidas!
Adicionar as claras em castelo à mistura que preparámos anteriormente. Misturem com o salazar, incorporando as claras nesta mistura mas sem bater.
Vertam este preparado sobre a base de bolacha e deixem repousar no frigorífico cerca de 3 horas.
Retirem da forma e decorem com raspas de limão ou de lima.

 

Nós: Quer lançar aqui algum um repto aos nossos seguidores?

Cláudia: Aproveitem o dia de hoje para pensar no que vos faz, verdadeiramente, feliz e sigam-no sem medos.

 

Obrigada Cláudia. Viva uma vida extraordinária!

 

 

Também pode gostar

Sem comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *