Melancolia por Vítor Encarnação

A “Melancolia” em dias de inverno, chuvosos e frios faz-nos apetecer ficar no sofá enrolado numa manta a olhar as chamas das achas da madeira que arde na lareira, aconchegados no sofá tendo por perto os animais de estimação. Fica-se um final de dia num viver morno que sabe bem, conforme nos diz Vítor Encarnação neste belo texto.

 

“À noite, aninhado no silêncio da casa, um candeeiro aceso a alumiar a saborosa monotonia, um casaco de malha antigo sobre um pijama de algodão, uns chinelos de quarto, os meus cães ficam tão felizes quando eu calço os chinelos de quarto porque sabem que eu já não os vou deixar…”

 

os meus cães ficam tão felizes quando eu calço os chinelos de quarto porque sabem que eu já não os vou deixar...
“os meus cães ficam tão felizes …”

Melancolia

Um bocadinho de melancolia faz-me bem, dor ou angústia não, são demasiado fortes, há quase sempre lágrimas e gritos, a pessoa mergulha aflita dentro de si, quando mergulhamos dentro de nós há a sensação de que nos vamos afogar, não preciso de nada que bata de repente, nada que me ponha o mundo sobre os ombros ou me aperte muito o peito, para isso já me basta quando estou desperto e lúcido, não o que eu preciso é uma coisa mais leve, uma fina capa de cansaço e solidão, uma pequena mescla de saudade e tédio, um ligeiro abatimento, uma suave prostração. À noite, aninhado no silêncio da casa, um candeeiro aceso a alumiar a saborosa monotonia, um casaco de malha antigo sobre um pijama de algodão, uns chinelos de quarto, os meus cães ficam tão felizes quando eu calço os chinelos de quarto porque sabem que eu já não os vou deixar,

os meus chinelos de quarto têm dois cães bordados a sorrir, as portas e as janelas fechadas, o livro aberto nas mãos, os olhos que adormecem dentro das palavras desse livro, o cérebro lento, o corpo dormente, a cara morna como se tivesse uma pequenina febre, um barulho que vem do quintal, talvez um gato, digo baixinho talvez um gato, os meus cães entreabrem os olhos e adormecem dentro da palavra que eu digo baixinho, um carro que passa na rua, ainda bem que aqui estou deitado no sofá, é tão aborrecido andar de carro quando se tem melancolia.

 

Vítor Encarnação: "os meus chinelos de quarto têm dois cães bordados a sorrir"
“os meus chinelos de quarto têm dois cães bordados a sorrir”

Também pode ler:

Cisma, Vítor Encarnação

Autoestima, Vítor Encarnação

O Livro do Tempo, Vítor Encarnação

Contentamento, Vítor Encarnação

Labirinto,  Vítor Encarnação

Entrevista de Vítor Encarnação

 

Também pode gostar

1 comentário

Leave a Reply