Paulo Gaspar Ferreira e o projeto In-Libris

Na senda da partilha de locais e experiências ímpares, apresentamos Paulo Gaspar Ferrieira e o projeto In-Libris

Sempre me deixei encantar por olhar as coisas belas. A In-Libris é o modo de as fazer. Do livro antigo à fotografia, da agricultura à escrita, da música à natureza, sempre cuidei de fazer o que vou sendo. Liberdade é o prazer de me encantar com as fazências que sempre alimento com a vontade aprender.

linhas curved-2721816__340

Nós: Fale-nos um pouco de si apresentando-se aos nossos leitores

Paulo Gaspar Ferreira: Sempre me deixei encantar por olhar as coisas belas. A In-Libris é o modo de as fazer. Do livro antigo à fotografia, da agricultura à escrita, da música à natureza, sempre cuidei de fazer o que vou sendo. Liberdade é o prazer de me encantar com as fazências que sempre alimento com a vontade aprender.

32853565_382092688957026_2727406483246415872_n (1)

Nós: Fale-nos um pouco sobre o projeto, como começou, como surgiu a ideia.

Paulo Gaspar Ferreira: A circunstância e alguma sorte me fizeram deparar com a possibilidade de adquirir uma velha oficina de encadernação do séc. XIX. Sem saber bem o que faria com ela não resisti dedicando-me de imediato ao seu transporte e instalação.

Percebi assim que esta também era a minha praia. A familiaridade que logo senti, transportando-me às antigas oficinas da Escola de Artes Decorativas Soares dos Reis onde aprendi com grandes mestres alguns dos processos que compunham a “Divina Arte Negra” modernamente conhecida por Tipografia.

Percebi que a encadernação, em Portugal e salvo raras excepções, se tinha deixado “cristalizar” no séc XIX quando os velhos encadernadores preferiram fechar as suas oficinas à transmissão do conhecimento. Esta prática estendeu-se ao longo de todo o séc. XX tendo encerrado a encadernação num caminho sem grande inovação. Em Portugal contamos pelos dedos de uma ou duas mãos os encadernadores que inovaram técnicas e estéticas contemporâneas.  De uma forma geral, preferiram fechar o que sabiam em oficinas envelhecidas tendo-se dedicado a repetir indefinidamente o que tinham aprendido. Creio que este fenómeno se verifica apenas em Portugal, uma vez que tenho vindo a perceber que em todo o mundo existem expressões e técnicas contemporâneas ligadas a esta arte.

Curiosamente, penso que em nenhuma outra de entre as “Artes Decorativas” se verifica este fechamento. Pelo contrário, verifico que Portugal replicou de modo até muito exuberante no que diz respeito à resposta contemporânea no âmbito alargado dessas chamadas “Artes Decorativas”. São exemplos disto a ourivesaria, a cerâmica, o design de mobiliário, as tapeçarias, o design de moda… onde até estamos habituados a granjear um certo sucesso por esse mundo fora.

32873691_382092882290340_7157758789163155456_n

Nós: O facto de terem adquirido uma velha oficina de encadernação do séc XIX, contribui para a formação desse projeto ou foi o inverso? Ou seja, o facto de já terem em mente a promoção desta arte na expressão criativa contemporânea, levou-vos a procurarem um espaço com história?

Paulo Gaspar Ferreira: Como referi tratou-se, aqui, de uma circunstância promovida pela percepção do antigo proprietário que tinha vontade que este conjunto não se desmembrasse. Tinha reunido estas peças (máquinas e ferramentas) e gostaria de continuar a ver a sua oficina viva e em laboração. Um dia entrou em contacto comigo dizendo-me que só a In-Libris o poderia fazer. No princípio a minha reacção foi negativa. Afigurava-se-me uma outra frente de trabalhos. Ao fim de um ano de insistência, claudiquei. Na verdade tinha razão. “Esta oficina tem a sua cara”… e tinha.

 32974772_382092652290363_3133994273901379584_n

Nós: Numa época em que as tecnologias estão já naturalmente integradas no dia a dia de todos e em especial dos mais jovens, tem sido fácil encontrar jovens interessados em aprender esta arte que recorre ao conhecimento e a técnicas antigas?

Paulo Gaspar Ferreira: A instalação e familiarização tomou cerca de meio ano. Estamos agora a iniciar uma série de “Ateliers” com os quais pretendemos tomar o pulso à coisa. A adesão tem sido muito boa, com pessoas de diversas origens a querer aprender estas artes do livro. São jovens,  pessoas de idade, homens mulheres que pretendem adquirir conhecimentos vários acerca do universo do livro antigo. A casa onde mora esta oficina é uma livraria alfarrabista com mais de 20 anos de existência. O natural envolvimento dos nossos clientes constitui uma população muito diversa e interessada. São bibliófilos todos. Amantes de livros. Médicos, economistas, advogados, engenheiros mas também bibliotecários, arquivistas, conservadores, designers gráficos e fotógrafos aparecem por aqui. A ideia é abrir a “Officina”  à utilização destes e outros frequentadores. Pretendemos desenvolver ideias novas acerca da encadernação. Mais do que uma oficina de encadernação este lugar é um laboratório de ideias.

Claro que neste sentido os jovens têm aqui livre-trânsito. Queremos preservar saberes antigos transmitindo-os. Quanto mais jovens mais longe atiraremos a semente. Esta também é uma maneira de cuidar da cultura.

 

Nós:. Conforme transcrevemos de um texto vosso: “desenvolver aprendizagens próximas ao universo do livro, olhando-o no passado e trabalhando-o no presente, mas também projectando-o no futuro” é, com toda a certeza, um desafio.  Adequar as técnicas antigas utilizadas tradicionalmente nas artes gráficas com as novas tecnologias digitais é um desafio fácil de vencer?

Paulo Gaspar Ferreira: O mais difícil de conseguir é tornar esta ideia saudável do ponto de vista financeiro. No nosso entender a história da encadernação em Portugal tem mais de 100 anos de atraso. Seguramente não será difícil casar técnicas centenárias com tecnologia de ponta. Não se pretende, aqui, confundir conhecimento com soluções económicas, cultura com espectáculo. Queremos sim recuperar tempo perdido, experimentando, errando talvez.

Acreditamos na criatividade como forma de inventar o futuro.

Nós: Ainda é fácil encontrar pessoas que detêm o conhecimento das técnicas artesanais da arte da encadernação artesanal?

Paulo Gaspar Ferreira: Está a ser uma experiência surpreendente ir de encontro aos profissionais que viveram envoltos neste universo. Estão, na sua maior parte, reformados. Mostram-se ávidos por transmitir os segredos mais recônditos da sua profissão. Sabem, também eles, que um dia aprenderam à custa de muito errar, de muito suor, de muito querer. A sua generosidade revela-se, agora, na disponibilidade absoluta para transmitir esta espécie de legado. São eles que sabem que com clara de ovo e vinagre se produz o melhor mordente que o dourador pode ter. São eles que querem, connosco, fazer parte desta história.

32966759_382123118953983_8048151607507943424_n

Nós: Quais as principais dificuldades em levar por diante este projeto?

Paulo Gaspar Ferreira: Em tempo de eficácia a todo o preço, o mais difícil é sempre cultivar o espaço do erro. Nenhuma das ideias que fez avançar a humanidade foi impermeável ao engano, à falha.

Cultivamos hoje a devoção do correcto, da perfeição. Esta é a maior dificuldade que têm os fazeres criativos. Perderam o lugar da experimentação.

Sentimos também aqui a pressão da perfeição. Por isso construímos dois caminhos: O laboratório e a oficina. No laboratório experimentamos e erramos. Na oficina aplicamos o que sobra disto tudo: encadernamos por encomenda e ensinamos a coisa certa.

32921727_382092925623669_3147532586343989248_n (1)

Nós: Que desafios têm para um futuro breve?

Paulo Gaspar Ferreira: Inventamos desafios todos os dias. Por agora temos em curso uma campanha crowdfunding (https://ppl.com.pt/pernasprandar/in-libris) cujo objectivo é conseguir adquirir uma máquina de gravação laser que nos vai permitir desenvolver ideias inovadoras sobre técnicas e estéticas na arte da encadernação.

Num futuro menos breve gostaríamos de integrar esta experiência complementando a OFFICINA com um projecto de tipografia com caracteres móveis.

Nós: No vosso ponto de vista, de que forma, com este projeto, se incentiva o gosto pelos livros e pela leitura?

Paulo Gaspar Ferreira: Tudo o que se fizer será pouco para incentivar o gosto pelos livros.

Já pela leitura o mesmo se não poderá dizer. Infelizmente lê-se demais. Lê-se muito lixo, publica-se muito lixo e pouca literatura.  Provavelmente nunca se leu tanto na história da humanidade.

A questão está na cultura do saber em detrimento do culto do conhecimento. Virtualmente todos sabemos tudo em 3 segundos à distância de um polegar bem treinado. O problema é que poucos sabemos fazer seja o que for.

Restaurar livros antigos, perceber a sua arquitectura, cuidá-los na sua intimidade, como em qualquer arte fazente, lega-nos um capital de conhecimento, de verdade, de cumplicidade com a nossa própria essência.

Nós: Querem deixar alguma mensagem específica aos nossos leitores para que fiquem motivados a interagir com o vosso projeto, a deixarem fluir a inspiração artística, a gostar mais de livros e de leitura?

Paulo Gaspar Ferreira: A nossa casa é de portas abertas. Estamos aqui:

In-Libris
Rua do Carvalhido, 194
4250-101 porto
tel. & fax: ( + 351 ) 223 234 518
mobile: ( + 351 ) 91 999 15 97
mail: officina@in-libris.pt
web: www.in-libris.pt
https://www.facebook.com/in-libris-officina-360094241156871/

O brilho que temos nos olhos vem-nos do prazer de transmitir aprendendo, desmultiplicando…

Este é um lugar onde habitam livros antigos e pessoas.

Venham cá e voltamos a falar do assunto.

Paulo Gaspar Ferreira

 

Também pode gostar

Sem comentários

    1. Muito obrigada pelo seu cometário positivo. Concordamos plenamente e gostámos muito de partilhar o conhecimento e o projeto de Paulo Gaspar Ferreira. Votos de felicidades para si, vamos interagindo. Beijos

    1. Obrigada pela sua manifestação de interesse. Para nós é importante divulgar projetos que preservam o conhecimento e contribuem para uma sociedade mais equilibrada. Felicidades para si. Um abraço da equipa do Hucilluc

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *