Traz p’ra frente as tuas Memórias e “Um Conto de Natal” acontece!

Mais do que a tradição alimentar desta quadra natalícia presente nas minhas memórias, trouxe p’ra frente algo bem poderoso: a família, o amor e os amigos. “Um conto de Natal” acontece na minha memória!

Sou da geração onde as crianças normalmente passavam as suas férias escolares de Natal a ver desenhos animados, o Natal dos Hospitais ou a rever filmes clássicos na televisão – alguns eram repetidos todos os anos. Lembro-me muito bem do “Natal do Sr. Scrooge” ou “Um Conto de Natal” um dos mais conhecidos contos de Natal, sem sombra de dúvida.

Escrito por Charles Dickens em 1843, “Um Conto de Natal”, foi inúmeras vezes adaptado ao teatro, cinema e televisão, raros são os que ainda não ouviram falar do velho avarento e solitário, Ebenezer Scrooge, que recebe uma lição dos fantasmas dos natais Passado, Presente e Futuro e que lhe transmitem o verdadeiro sentido do Natal.

Sinopse

Segundo a narrativa de Charles Dickens, o “Conto de Natal” tem como protagonista o senhor Scrooge, um velho sovina, azedo e solitário que detesta a época natalícia. Trabalha num escritório em Londres com o seu pobre mas feliz empregado, um pai de quatro crianças, com um carinho especial pelo pequeno e doente Tim. Numa véspera de Natal, renegando qualquer companhia recebe a visita do espírito do seu ex-sócio Jacob Marley, carregando várias correntes, morto precisamente sete anos antes daquele dia. Confessa que o seu espírito não pode descansar em paz, já que não foi bom nem generoso em vida e que um destino igual ao dele estará reservado ao Scrooge se o mesmo não se redimir do seu comportamento e por isso três espíritos o visitarão em três noites, na badalada do relógio, para lhe dar a oportunidade de refletir e poder alterar os seus maus hábitos. Depois da visita destes três espíritos, Scrooge acorda na manhã seguinte como um novo homem passa a amar o espírito do Natal e a ser generoso com os que precisam.

Trás p’ra frente as memórias e …

Ao trazer p’ra frente a consciência de aprender tudo o que foi ensinado pelo tempo fora, as memórias da minha infância trouxe a lembrança dos meus natais passados e deste conto de Natal sobre a transformação de um homem para melhor. Acredito, tal como aconteceu ao Scrooge, que é possível mudar quando damos conta de quem eramos, rever conceitos e corrigir maldades e ainda hoje me pergunto será que a menina que via este conto enquanto esperava o Pai Natal teria orgulho da adolescente que se tornou? E será que esta adolescente teria orgulho da adulta que sou?

Grande Lição, Grande Mensagem de amor, de amizade, de generosidade e de conceito familiar e Grande Conto – alerta para a necessidade de retomada dos valores humanos.

Se me permite deixar um presente para si, deixaria aceso o sentimento de amar a vida dos seres humanos.

Inspire-se, Veja, Sinta e Leve!

Também pode gostar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *