Viagem às tradições da Páscoa

Tradição da época da Páscoa, vivida numa aldeia transmontana no Município de Chaves.

Há tradições vividas, em criança, que nos ficam para sempre gravadas na memória porque estão associadas a cheiros, sabores e a dias alegres.

Aproxima-se o Domingo de Ramos e as crianças da aldeia andam num alvoroço, procurando juntar todas as guloseimas que os familiares e os amigos lhes dão. Na véspera do Domingo de Ramos pedem aos seus pais que lhes cortem um bonito ramo de oliveira. Enfeitam o ramo com todas as guloseimas que conseguiram juntar, rebuçados, bolachas e chocolates embrulhados em papéis coloridos e brilhantes.

Na véspera do Domingo de Ramos, sente-se no ar um delicioso cheiro a chouriço e presunto. Pela manhã bem cedo, as mulheres da aldeia, andam numa azáfama a cortar os salpicões, as linguiças e o presunto em pequenos pedaços. Em grandes masseiras colocam os ingredientes do folar de Chaves e amassam muito bem esse preparado. Algumas crianças saltitam à volta das atarefadas mães na esperança de irem petiscando pequenos pedaços de salpicão e de presunto e também, para prepararem o seu próprio folar aproveitando os restos da massa que fica colada na masseira. Depois de amassada, levedada, recheada e dividida em folares na forma de grandes pães, aguarda-se a vez de levar os folares para o forno a lenha da aldeia.

Enquanto cozem estes deliciosos folares, no ar fica um cheiro, um cheiro a um “pão” diferente acabado de cozer.

É Domingo de Ramos, os sinos tocam chamando para a missa. As crianças vestidas com as suas roupas preferidas vão, caminho fora, com o ramo na mão, orgulhosas e na expetativa de que o seu ramo seja o mais bonito. Felizes, recebem os elogios das pessoas por quem passam.

Depois da missa, as crianças, dirigem-se acompanhadas pelos pais à casa da sua madrinha a quem oferecem o ramo. Esta, em troca, oferece um folar à criança, sua afilhada, e aos seus familiares. As famílias mais abastadas oferecem-lhes um presente.

Consulte a Receita do Folar de Chaves aqui.

Veja mais informação sobre esta iguaria bem portuguesa no Site do Município de Valpaços

 

Também pode gostar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *