O Dia do Trabalhador

O Dia do Trabalhador também designado por “Dia do Trabalho” ou “Dia Internacional dos Trabalhadores” é uma data comemorativa internacional, celebrada anualmente no dia 1 de maio, em quase todos os países do mundo, sendo feriado em muitos deles.  No calendário litúrgico, o dia celebra a memória de São José Operário, o santo padroeiro dos trabalhadores.

Em Portugal, durante a ditadura do Estado Novo, a comemoração do dia do trabalhador era proibida e reprimida pela polícia. O 1º de Maio começou a ser festejado livremente a partir de maio de 1974, após a Revolução do 25 de abril. É comemorado em todo o país, com manifestações, marchas, celebrações e comícios, de forma a apresentar ao Governo e às entidades patronais quais as necessidades e os direitos dos trabalhadores. Como feriado, é também uma oportunidade para o trabalhador descansar.

Origem do dia do trabalhador

No dia 1 de maio de 1886, na sequência de uma manifestação pacífica de operários realizada na cidade norte-americana de Chicago, com o objetivo de conquistar condições melhores de trabalho, principalmente a redução da jornada de trabalho diária, que chegava a 17 horas, para oito horas. Durante a manifestação a polícia interveio para dispersar os operários, ferindo e matando e prendendo dezenas de operários.

No 20 de junho de 1889, a segunda Internacional Socialista, reunida em Paris, decidiu convocar anualmente uma manifestação com o objetivo de lutar pela jornada de 8 horas de trabalho. A data escolhida foi o primeiro dia de maio, como homenagem às lutas sindicais de Chicago.

Em 1890 é que os trabalhadores americanos tiveram a sua jornada de trabalho diária ser reduzida para oito horas. Nos Estados Unidos o Dia do Trabalhador celebra-se na primeira segunda feira de setembro.

No 1º de maio de 1891, uma manifestação no norte de França foi dispersada pela polícia, resultando na morte de dez manifestantes. Esse novo drama serviu para reforçar o significado da data como um dia de luta dos trabalhadores. Meses depois, a Internacional Socialista de Bruxelas proclamou a data como dia internacional de reivindicação de condições laborais.

No dia 23 de abril de 1919, o senado francês ratificou a jornada de 8 horas e proclamou feriado o dia 1º de maio daquele ano. Em 1920, a então União Soviética adotou o 1º de maio como feriado nacional, sendo seguida por alguns países.

O mundo do trabalho para as gerações futuras

Atravessamos uma fase de mudança significativa da sociedade e dos sistemas económicos tradicionais, ditada pela globalização com a implementação massiva das tecnologias de informação e comunicação, do desenvolvimento da robótica e da inteligência artificial. Sofremos com às alterações significativas no meio ambiente, como a poluição das águas, do solo e do ar, o sobreaquecimento global, o consumo excessivo que seca as fontes de recursos naturais da Terra, que afetam o bem-estar e a segurança da vida na terra trazendo uma incerteza perante o futuro dos mais jovens. Não basta apenas colher o que a terra generosamente nos oferece é também necessário retribuir cuidando.

Sabemos também, que a participação ativa da mulher ao mundo do trabalho faz parte da história ainda recente e que este facto veio trazer em uma dupla carga às mulheres. As mulheres passaram a acumular o trabalho fora de casa com o trabalho doméstico. Consequentemente esta suposta emancipação não contribuiu, como esperado, para a igualdade de género.

Estamos sem dúvida numa fase de incertezas que obrigam a uma reestruturação do mundo do trabalho, uma vez que os desenvolvimentos tecnológicos baseados em inteligência artificial, usando sistemas robóticos, criam uma nova realidade no trabalho, mas também criam novas necessidades, novas oportunidades de trabalho.

Quem tem filhos jovens, homens ou mulheres, em idade de inicio de atividade profissional, sabe que já não encaram o trabalho como numa troca de baixo custo de ações simples executadas em horários longos e rígidos. Os nossos filhos que pertencem à geração millennial, procuram trabalhos que lhes permitam desenvolver as suas várias competências, usar criatividade e que sejam flexíveis.

Será esta geração millennial a peça fundamental da mudança no trabalho e da preservação do ambiente?

Acreditamos que sim. Acreditamos que esta geração será responsável por uma mudança significativa de mentalidades, transmitindo às gerações vindouras uma forma de estar e de agir usando a inteligência e a criatividade como as ferramentas essências no trabalho e vivendo em harmonia com o nosso planeta.

Considerando que todos temos responsabilidade intergeracional vamos, desde já, agir e ajudar os nossos filhos numa forma de viver e de trabalhar diferente, que lhes permita atingir a felicidade.

 

Participe na celebração. Afinal, este dia é seu, não se esqueça!

 

Curiosidade: ” As mulheres nos negocios”  artigo publicado no “Almanach Bretrand, 1907”.

Também pode gostar

Deixar uma resposta