O Dia da Espiga – 30 de Maio

O símbolo do Dia da Espiga

O símbolo que em Portugal, identificamos como estando associado ao Dia da Espiga é o Ramo da Espiga. Tradicionalmente este ramo é colhido no campo, numa época do ano que coincide com a primavera. Esta é uma tradição com valor social e económico que se vive aqui e ali, mas com mais intensidade nas localidades rurais do país. É uma celebração em harmonia com os ritmos da natureza.

A tempo de preparar um dia da espiga vivido em contacto com a natureza, no final do artigo fazemos-lhe uma sugestão imperdível.

Memórias

Quem se lembra de na infância ir em passeio pelo campo colher as flores e as espigas para o Ramo da Espiga?

Tradições entre o religioso e o pagão que deixam memórias indeléveis de dias de grande entusiasmo vividos na infância.

O dia da espiga era uma oportunidade para as crianças saírem da escola primária em passeio pelo campo. Alegres, saltitando, entoando cantigas populares que a professora primária tinha ensinado, colhiam-se flores, espigas e ramos de oliveira, que haviam de formar o “Ramo da Espiga”. Depois, sentados à sombra de alguma árvore, comia-se um pequeno lanche, sanduiches e fruta que cada um tinha levado de casa.

No final da manhã, cada criança levava o seu raminho para casa e pendurava-o atrás da porta principal. Aí ficava até no ano seguinte ser substituído por um novo ramo. Acreditava-se que este ritual trazia abundância e sorte à família dessa casa. Em dias de grandes trovoadas, para afastar o perigo, retirava-se um pouco do raminho e colocava-se a arder num pratinho. Enquanto o pedaço do raminho queimava era rezada uma pequena oração a Santa Bárbara, para afastar o risco da casa e dos seus habitantes serem atingidos por um raio.

 

A Origem da Tradição

Esta tradição pagã tem origem em épocas muito remotas, durante o domínio das culturas célticas e romanas. Era uma celebração das primeiras colheitas e o pedido da boa qualidade e quantidade destas.

Com a implantação do Cristianismo, em Portugal o “Dia da Espiga” ou “Quinta Feira da Espiga” passou a coincidir com a “Quinta-feira da Ascensão”, 40 dias após a Páscoa, em que se celebra a subida de Jesus Cristo aos céus. É, consequentemente, uma data móvel. Em alguns concelhos do país ainda se mantém o feriado municipal.

 

Nas cidades

Com a migração dos habitantes das zonas rurais e do interior do país para as grandes cidades e com a industrialização, esta tradição já não se cumpre como em anos passados. No entanto, nas grandes cidades, ainda vemos na rua e em alguns mercados, pessoas que vêm das zonas ruais adjacentes, vender estes raminhos coloridos.

 

O Ramo da Espiga

Segundo a tradição o ramo da espiga, entre outras flores e plantas utilizadas para embelezar e compor o ramo, deve ser constituído por espigas de qualquer cereal, papoilas, malmequeres, oliveira, alecrim e videira, sendo o seu significado o seguinte:

As espigas

As espigas de cereais (trigo, centeio, aveia ou outro) devem ser sempre em número ímpar e constituem o principal elemento do ramo pois representam o pão. O pão era a base do sustento das famílias.

A Papoila

Pela cor vibrante e quente a Papoila significa o amor e a vida.

 

O Malmequer

Simboliza a riqueza e os bens terrenos. As pétalas brancas simbolizam a Prata e o interior amarelo simboliza o Ouro.

A Oliveira

A Oliveira está associada ao símbolo da Paz e ao símbolo da Luz. É do seu fruto a azeitona, que se produz o azeite, utilizado não só como tempero da comida, mas também como o combustível com que se enchiam as candeias que alumiavam as casas. Esta Luz também é associada ao espiritual e ao divino, significando a sabedoria divina.

 

O Alecrim

Com o seu cheiro forte e duradouro é uma planta muito resistente (contrariamente à Papoila), simboliza a força, a resistência e saúde.

A Videira

A representação do vinho, tão importante para a nossa cultura e tradição, representa a alegria.

 

O nosso desafio

Aproveite o fim-de-semana para sair da cidade com a família num belo passeio pelo campo. Explique aos seus filhos o significado do Ramo da Espiga, prepare um pequeno lanche (veja na nossa página “Sabores”  receitas e ideias de sanduiches e outras guloseimas saudáveis) e vá numa aventura colher flores e fazer o ramo da espiga.

Não sabe para onde ir fazer este passeio? Na Casa Raíz (leia a entrevista de Tereza Freitas e conheça a Casa Raiz) faz-se cumprir toda esta tradição de forma ímpar.

 

O programa que Tereza Freitas propõe para  “Quinta feira da Ascensão – Celebração da Ascensão de Jesus ao Céu“ – Da Páscoa à Ascensão 40 dias vão.”

A Quinta Feira da Ascensão acontece 39 dias depois da Páscoa e a Casa Raiz vai juntar-se à Grande Feira da Ascensão em Areias e celebrar a abundância na Vida.

 

Uma antiga particularidade interessante do dia da espiga era ser considerado o “dia da hora” e “o dia mais santo do ano”, um dia em que não se devia trabalhar. Era chamado o dia da hora porque havia uma hora, o meio-dia, em que tudo parava…

“as águas dos ribeiros não correm, o leite não coalha, o pão não leveda e as folhas se cruzam”.

Era nesta hora do meio dia que se ia aos campos apanhar as plantas para celebrar a fecundidade da terra e a alegria de viver.

Que tal retomar este costume de na Quinta Feira da Ascensão, ao meio dia tudo parar e nos conectarmos com a Ascensão da nossa Consciência Divina, e, nada melhor do que em conexão com a natureza, sentindo a gratidão pela abundância da vida e pedindo pela clarificação da mente para sermos o Amor, A Paz e a Alegria que já existe em nós?…

Retomando a partilha do tradicional Dia da Espiga – Algumas frases que simbolizavam a celebração da fertilidade da terra e alegria da vida.

“Se chover em quinta-feira da Ascensão, as pedrinhas darão pão.

“O vento que soprar em quinta-feira da Ascensão soprará todo o verão.”

 

CELEBRAÇÃO DA ASCENSÃO na Casa Raiz

Programa

Quinta Feira de Ascensão, dia 30

Ao meio dia – caminhada silenciosa pela natureza em conexão com a nossa sensibilidade e com os nossos guias pedindo clarividência e desfrutando em gratidão pela abundância. Ao mesmo tempo vamos apanhar o nosso ramo de espiga.

13h,30 – Almoço na Casa Raiz – refeição vegetariana (por escolha, sem dogmas…) aproveitando os alimentos da época.

Sexta feira dia 31

Jantar na Casa Raiz

Tertúlia sobre Ascensão de Consciência segundo os ensinamentos de “Um Curso Em Milagres!”

Sábado dia 1

Pequeno almoço

10,30 – Caminhada descobrindo os encantos de Avecasta

13h,30 – Almoço

15h – partilhas de experiências num sentir de Ascensão de Consciência

18h – (Participação livre) Abertura da Feira da Ascensão em Areias com concerto surpresa.

Petiscos nas tasquinhas (Participação livre)

Baile pela noite fora com Grupo FH5. (Participação livre)

Domingo dia 2

Pequeno almoço

Manhã livre para caminhar, relaxar, conversar e partilhar

13h30 – almoço na Casa Raiz

Tarde livre para desfrutar da Feira da Ascensão e baile até que os pés e a alma se mantenham de pé… (Participação livre)

Este programa inclui: atividades e estadia com dormida e alimentação na Casa Raiz.

Para participar terá que ser feita reserva.

10% Desconto em 2 ou + noites para Grupos a partir de 6 pessoas, ou famílias a partir de 4 pessoas.

 

Mais informações: info@casaraizavecasta.com

Tereza Freitas: Tel 961285404

Também pode gostar

Deixar uma resposta