Poema “Mello Breyner Andresen, Sofia” de Sandra Ramos

.

Sofia de Mello Breyner Andresen foi uma mulher ímpar na literatura portuguesa, cujo exemplo de vida e percurso na escrita desde a poesia às histórias para crianças, continuam a fascinar um vasto público de diversas faixas etárias. A autora Sandra Ramos,  já nossa conhecida, exalta esta mulher “Mulher liberta de ostentações, desnutrida de máscaras“, num belo poema que não pode deixar de apreciar.

“Sophia, apenas TU, a fonte de vocábulos meticulosamente ordenados,/ Amante confessada da Liberdade e do Mar, do Tempo e da Natureza;….”

 

O Mar - Sofia de Melo Breyner nas palavras de Sandra Ramos

No teu clamar, achegados, estamos, aos instantes não vividos junto ao Teu Mar!

 

Mello Breyner Andresen, Sofia

 

Enuncias que és poema e a tua biografia o teu rosto,

Na dança inventada por ti, flutuas nas estrelas abrasadas,

Cobres o teu tronco do manto espiritual, corroído pelo tempo,

Escondes uma fuga sem destino certo,

E apressas na busca da madrugada indecifrável, fria e cruel.

 

Mulher liberta de ostentações, desnutrida de máscaras;

Abraças a vida, quando tantos outros se calam e tu não.

Na seiva da tua caminhada, gritas que a luz do Sol é impura,

E na tua revolta teatral, amas o Mar, que dizes ser a tua outra metade.

 

Afincas que o teu regresso ao Rei da água é breve,

Mergulhas junto às ninfas nas ondas cintilantes e imaculadas,

Alienadas às confissões alheias, aos ínfimos contrastes óticos, segues…

Confiante na destreza das oferendas oferecidas, afundada no goto da tua palavra.

 

Artista de extrema finura e fragilidade, nutrida de uma beleza e perfeição límpida,

O Amor galopante, dás, ao teu Rei salgado colossal de correntes temperadas,

Libertas a tua dor desprendida na curva meticulosamente alinhada da ondulação,

Na soltura jorras a amargura da tua essência divina!

 

Sophia, apenas TU, a fonte de vocábulos meticulosamente ordenados,

Amante confessada da Liberdade e do Mar, do Tempo e da Natureza;

Na tua promessa aguardamos o teu retorno breve,

No teu clamar, achegados, estamos, aos instantes não vividos junto ao Teu Mar!

 

 

Da autora Sandra Ramos pode ler:

Mulher Africana – de Sandra Ramos

A Arte – Em celebração do Dia Mundial de África – Poema Mãe África

À conversa com …. Sandra Ramos, escritora

Também pode gostar

Leave a Reply