Praticar meditação com a Reflower

“Uma prática meditativa para todos, simples e sem complexidades ou mistificaçãoes” é o que sugerem Gustavo e Diogo. Nesta conversa com eles vamos ficar a saber um pouco mais sobre o projeto Reflower e sobre a prática da meditação.

 

Meditar uma prática diária

Meditar é uma prática cada vez mais comum nos dias de hoje. Muitos acham que “virou” moda mas na verdade remonta aos primórdios da Humanidade. Os grandes mestres meditavam todos os dias…

Nós também podemos (e devemos) introduzir na nossa rotina diária de forma natural e gradual a prática de meditar e com ela obter grandes transformações com apenas alguns minutos por dia.

O Gustavo e o Diogo criaram um centro de meditação – a Reflower e já há alguns anos que se dedicam a ensinar e partilhar experiências nesta área. Aqui fica a palavra escrita de quem sabe a importância e os benefícios que se podem alcançar com esta prática.

 

“Após uma visita à ilha das Flores, nos Açores, tivemos a ideia de ali criar um centro de meditação”

 

  • Diogo e Gustavo querem apresentar-se aos nossos leitores.

O Diogo, depois de uma carreira no mundo empresarial, dedica-se à Reflower e escreve livros nos tempos vagos. Depois de um curso de Direito que não o entusiasmou, o Gustavo estudou Línguas, Literaturas e Culturas e hoje em dia, além de dar aulas, é astrólogo e terapeuta.

  • Quais as circunstâncias que os levaram a interessarem-se pela meditação?

Depois de uma passagem na União Budista, por sugestão de um amigo, o Diogo consolidou a sua prática com a Reflower. O Gustavo sempre se interessou por espiritualidade e a meditação foi ganhando o seu lugar nas suas atividades.

  • Como se encontraram e como surge a ideia de criarem a Reflower?

Conhecemo-nos no verão de 2016, por circunstâncias curiosas do destino. Após uma visita à ilha das Flores, nos Açores, tivemos a ideia de ali criar um centro de meditação. Entretanto, começámos a organizar pequenos grupos meditativos, que têm crescido ao longo dos meses e nos têm levado a todo o país e ao estrangeiro, em sessões que nos têm trazido muitos amigos e experiências enriquecedoras.

  • Têm apoios oficiais ou contam apenas com contributos voluntários?

Não temos apoios oficiais. Contamos apenas com contributos voluntários para ajudar ao projeto na ilha das Flores, bem como com o valor das sessões de meditação, que custeiam as despesas de deslocação, espaço, materiais e as inerentes a uma organização formalizada.

“Foi lá que encontrámos as condições ideais para a prática da meditação, longe da vida urbana e em maior contacto com a natureza.”
  • Porquê a ilha das Flores para abertura de um centro contemplativo?

Como acontece com todas as coisas importantes da vida, não há uma razão lógica: foi lá que encontrámos as condições ideais para a prática da meditação, longe da vida urbana e em maior contacto com a natureza.

Sentimos que muito do que transmitíamos nas sessões não se esgotava ali e que merecia um desenvolvimento num livro de apoio, com a dupla função de ajudar os iniciantes na prática meditativa e também de contar um pouco da nossa história e visão.

  • Que outros livros têm publicados? Onde se podem adquirir?

O Diogo publicou recentemente o livro Volta a ti, disponível nas livrarias e em wook.pt. Planeamos aprofundar os conteúdos da Reflower num próximo livro, a publicar brevemente.

  • Como podemos praticar a meditação?

Podemos começar por um minuto por dia durante algum tempo, para que o corpo e a mente se habituem. Simplesmente fecharmos os olhos e tomarmos consciência da nossa respiração, sem esperar nada, não querendo que o mundo se silencie nem que a mente seja controlada automaticamente. É aos poucos, com a prática, que a meditação se vai concretizando.

“A meditação… mais próxima do “sentir”, do “estar”, do “ser”.”

  • Que benefícios traz para o bem-estar geral? Podemos dizer que a meditação é uma terapia complementar?

A meditação pode fazer a diferença numa vida agitada e desencontrada da essência de cada um de nós. Facilita o atingir de uma consciência da vida que se faz acompanhar de uma sensação de paz e bem-estar. A meditação pode ser terapêutica, embora não se proponha curar nada. Rodeá-la de muitos objetivos é desvirtuar a sua verdadeira essência, muito mais longe de teorias e mais próxima do “sentir”, do “estar”, do “ser”.

  • Que práticas aconselham aqueles que nunca fizeram a experiência ou que tendo experimentado uma sessão de meditação, não conseguiram atingir esse estado.

Muito simplesmente começando por fechar os olhos e respirar. A verdadeira experiência da meditação não é expressável por palavras: é uma vivência única para cada pessoa. Como tudo, há que arriscar experimentar e não desistir à primeira.

  • De todos os eventos que têm programados há algum que consideram imperdível?

Convidamos todos os que tiverem interesse em parar um pouco as suas vidas agitadas a virem participar numa das nossas tardes de meditação ou nos eventos temáticos, em que meditamos ao redor de um tema. Podem esperar conhecer um pouco da história da meditação, experimentar focos meditativos e meditações guiadas, relaxamento físico e atividades de grupo, num espírito de união, entreajuda e alegria.

“o importante é reflorirmos para um novo motivo que nos traga de volta o sorriso.”
  • Querem deixar alguma mensagem específica a quem nos lê?

Por vezes, perdemos a capacidade de nos sentirmos bem e felizes; o reencontro do caminho pode passar ou não pela meditação: o importante é reflorirmos para um novo motivo que nos traga de volta o sorriso. Cada um encontra o seu próprio caminho.

 

Envolva-se e procure reflorir o seu sorriso!

 

 

Também pode gostar

Deixar uma resposta