“A vida são dois dias, o Carnaval são três!”

Tradições de Carnaval

Enfeite-se de cor e fantasia

São várias as tradições de Carnaval em Portugal. Este evento apresenta características únicas em que “os foliões” aproveitam para se fantasiar e mascarar. São vários os fatos alusivos ao Carnaval, desde personagens de cinema, passando pelas personagens Disney, critica social até onde a imaginação os levar. Quem nunca ouviu falar das famosas máscaras do Arlequim ou do Pierrot, entre outras?! Umas serão mais populares que outras, mas o objetivo é sempre o mesmo, o festejo através da diversão, do humor, da sátira, da brincadeira, da alegria e boa disposição.

As crianças vibram com a época festiva do Carnaval. Vestem os seus trajes e máscaras feitas nas escolas, ou em casa com a ajuda dos seus familiares, outros pedem emprestados a amigos, enfim … E preparam-se para desfilar no domingo e na terça-feira de Carnaval nos vários locais organizados pelas escolas e outras entidades oficiais ou de tempos livres, em recintos fechados ou nas ruas. É uma atração única sempre repleta de fantasias criativas e curiosas!

Qual a mãe, pais ou avós que não se lembram do “corre corre” desta época?! Dos pedidos dos filhos, dos netos, dos choros e lágrimas das crianças que querem aquela e não outra fantasia para se prepararem para o desfile.

Inspire-se nas suas memórias de infância, nas tradições das nossas terras, na alegria com que os foliões desfilam pelas ruas e divirta-se neste entrudo.

O Careto uma figura algo misteriosa.

Memórias de outros carnavais. Nasci e passei a minha infância numa pequena aldeia do norte do país. Eram tempos difíceis, as pessoas viviam à custa do trabalho no campo e praticavam uma agricultura de subsistência. O carnaval e outras festas, eram sempre uma oportunidade para, brincando, esquecerem as dificuldades da vida.

Recordo que, os rapazes e alguns homens se vestiam com fatos muito trapalhões muito rústicos, colocavam máscaras, em latão ou madeira feitas pelos próprios, eram os caretos! Com uns chocalhos nas mãos, corriam a aldeia. Era uma algazarra! Iam atrás das raparigas, para as enfarinhar ou para lhes sujar a cara com carvão.

Hoje, esta tradição de carnaval com as características personagens dos “Caretos” pode ser apreciada aqui e ali nas terras de Trás-os-Montes e Alto Douro, nos concelhos de Vinhais, Bragança, Macedo de Cavaleiros, Podence e em Vimioso, e no Alto Douro em Lazarim no concelho de Lamego. São usadas mascaras coloridas com o nariz saliente, algumas decoradas com chifres e outros apetrechos como o chocalho e um pau ou cacete.  Os fatos, às riscas e de cores garridas, são muitas vezes, feitos de colchas com franjas compridas de lã vermelha, verde e amarela com um capuz.

Ninguém leva a mal

É uma época de diversão e onde são permitidas brincadeiras, pois seguindo o provérbio popular “No Carnaval ninguém leva a mal“.

As festas de hucilluc na cidade

A equipa do hucilluc também gosta de se divertir, deixando a fantasia invadir a sua imaginação. Em ambiente citadino, em tempos não muito afastados, hucilluc organizou uma festa de carnaval para si e para os amigos. A festa decorreu na romântica vila de Sintra no espaço de uma mítica quinta. Os convidados trajados a preceito, tiveram direito a comida, bebida música e dança com muita animação.

Use a imaginação e faça uma máscara colorida

Faça sua própria máscara de carnaval, saia com os amigos ou com a família e divirta-se neste carnaval!!!

Leia Aqui a lenda de Arlequim

Aqui, o Entrudo de Zeca Afonso

ENTRUDO
Ó entrudo Ó entrudo
Ó entrudo chocalheiro
Que não deixas assentar
as mocinhas ao solheiro
 
Eu quero ir para o monte
Eu quero ir para o monte
Que no monte é que estou bem
Que no monte é que estou bem
 
Eu quero ir para o monte
Eu quero ir para o monte
Onde não veja ninguém
Que no monte é que estou bem
 
Estas casa são caiadas
Estas casa são caiadas
Quem seria a caiadeira
Quem seria a caiadeira
 
Foi o noivo mais a noiva
Foi o noivo mais a noiva
Com um ramo de laranjeira
Quem seria a caiadeira
 
Zeca Afonso

Também pode gostar

Deixar uma resposta