Conhecer as Roças de São Tomé

Em São Tomé é obrigatório conhecer as Roças do Cacau e Café. São Tomé é um país do verde e do azul que consegue colorir os nossos dias. Facilmente, ficamos apaixonados pelas várias belezas que nos são proporcionadas de forma natural. Com os nossos olhos facilmente ficamos apaixonados!

São Tomé tem várias Roças de Cacau e Café espalhadas pela ilha. Numa viagem a uma roça trazemos para as nossas vidas um misto de realidades do passado e do presente. Os guias são nossos amigos e em qualquer apresentação de cada canto sentimos as vivências reais! Conseguimos construir uma história dos seus antepassados e da cultura africana em São Tomé.

 

Conhecer as roças de São Tomé é conhecer as tradições santomenses

Uma das formas de conhecer as origens e a vida marcada dos santomenses é através da visita às roças. A visita às roças faz-nos pensar no passado, na forma como se vivia naqueles locais. É uma experiência de sentimentos e cheia de alma. Pelo caminho, também, conhecemos a cultura, as tradições e o património arquitetónico existente das roças. Atualmente, a maioria das Roças encontra-se em ruínas, sendo apenas uma memória do que foram outrora. Claramente, que este património carece de investimento nas suas infraestruturas em comunhão com o apoio que as comunidades necessitam para continuarem a viver diariamente nestes locais. Muitas vezes sem as devidas condições dignas de sobrevivência.

Nas roças temos oportunidade de encontrar muitas crianças que nos despertam um desejo enorme de as abraçar a todas.

As grandes roças como a Roça Rio do Ouro ou Agostinho Neto, a Água Izé ou a Roça Porto Alegre eram constituídas por vários espaços com objetivos distintos. Existia a Casa Principal, as Sanzalas onde habitavam os serviçais, as Habitações dos Encarregados, as estufas, os armazéns e os secadores.

Verifica-se em algumas roças, ainda o edifício do  Hospital e locais para educação e culto religioso.
Sabe-se que algumas roças chegaram a ter cerca de mil habitantes.
As grandes Roças tinham ligação com pequenas roças que eram designadas Dependências. Estas Dependências destinavam-se a pequenas produções, a escoamento de produtos e à expansão da área de influência da Roça Principal.

Um pouco de história

Maioritariamente, no passado a mão-de-obra das Roças era com escravos. A escravatura foi abolida em 1876. Isto, originou a realização de contratos de trabalho em São Tomé. No entanto, estes contratos revelaram abusos da mão-de-obra exigida. Conseguimos ficar impressionados com a grandiosidade dos edifícios que foram construídos, por outro é impossível não pensar na história de exploração humana de que os santomenses foram palco.

O massacre de Batepá iniciou-se por volta de 1953 por obra do governador Carlos de Sousa Gurgulho devido à procura de mão de obra para o trabalho nas roças. Foram usadas várias formas e equipamentos para a execução do massacre. Realmente, a 3 de fevereiro de 1956 regista-se um dos episódios mais trágicos de São Tomé relacionado com o massacre de Batepá. Houve claramente tentativa por parte dos patrões e chefes portugueses de forçar os santomenses a trabalharem com condições precárias nas plantações e nas obras de construção. No final, houve centenas de mortes e famílias destruídas e sem qualquer apoio.

Apesar de a maioria se encontrar hoje em ruínas, a Roça Água Izé, Monte Café e São João dos Angolares, na ilha de São Tomé, são algumas das poucas roças que têm sido recuperadas ao longo dos anos. Além disso, ainda hoje estas roças se mantêm em funcionamento e com edifícios de habitação às comunidades.
Outras roças são hoje o local de habitação de várias pessoas que vivem em comunidade e das que procuram um local de abrigo.

As Roças e a vida em São Tomé

Roça Diogo Vaz

Roça Agostinho Neto

 

Os locais permanecem e as pessoas são tão amáveis na receção que nos fazem!

A vida diária nas roças.

Roça Monte Forte

Caminhar numa roça é sentir os passos de uma vida colonial.

Roça Monte Café

Uma das roças mais antigas de São Tomé, onde conseguimos sentir a atividade manual do percurso dos grãos de café.

 

Claramente que nas visitas às roças podemos sempre espreitar e deliciarmos com locais históricos e locais paradisíacos que a ilha nos oferece.

Praia do Governador

As águas quentes e cristalinas do equador onde ficamos rendidas/os para vários mergulhos neste país encantado.

Memorial dos heróis da Liberdade

Praia dos Tamarinos

Um verdadeiro banho nestas águas São-Tomenses!

Lagoa Azul

Que água tão cristalina! A natureza virgem, as praias desertas enquadram-se numa floresta tropical  onde qualquer sítio nos leva a novas experiências.

Túnel

Face às constantes preocupações dos santomenses, este país paradisíaco de paisagens lindíssimas consegue derreter o nosso coração. Conseguimos trazer para as nossas vidas, amigos que partilham connosco este país, que é São Tomé e Príncipe.

Saiba mais sobre São Tomé:

Memorial da descoberta da Ilha de São Tomé

Mucumbli em São Tomé

 

 

 

 

Também pode gostar

Leave a Reply