Sete pecados mortais, passados e complexos – Poema de Sandra Ramos

Poesia de Sandra Ramos
Publicidade
Sete pecados mortais, passados e complexos
Um poema de Sandra Ramos inserido na Coletânea Online de Literatura Livre e publicada na página do Património Cultural. Foi no passado dia 18 de abril de 2021 numa iniciativa conjunta, que celebramos com os nossos entrevistados o Dia Internacional dos Monumentos e Sítios.
Fazer acontecer prosa e poesia integrada numa Coletânea Online de Literatura Livre era o nosso objetivo.
Sandra Ramos numa das entrevistas que nos concedeu afirmou:

A escrita é um RIO que desagua no MAR. Direi sem receio de errar que quem escreve porque gosta, tudo flui à imagem do vento que passa. Mergulha-se na palavra e fazemos dela o que queremos doando-lhe um contexto apropriado. O desgaste não existe, quando se produz o que se quer, quando se ama a ESCRITA.”

Por isso atrevemo-nos e pedimos à escritora Sandra Ramos que mergulhasse na palavra e escrevesse um texto sob o tema Passados Complexos: Futuros Diversos, eis aqui o seu poema.

 

Sete pecados mortais, passados e complexos

 

Deitada na sensual luxúria, invoco o teu nome;
escravizo o teu corpo débil e imoral,
cedo à anunciada bestialidade do teu violento desejo,
incorro no delírio louco e selo o meu impetuoso almejo.
Aspiro-te numa potência rígida desejada,
apresso o meu caminhar na tomada de posse do teu olhar,
engendro os subterfúgios nocivos no resgate da tua alma,
colmato a minha sedenta sede na tua genuína calma.
A tua doce complacência rasga o meu insaciado apetite,
absorvo os líquidos do teu silencioso pensamento,
sacio as minhas amargas vontades destemidas,
caio na penumbra ermida desconhecida.
Afundada no meu leito, sossego o meu ímpeto;
a indolência incoerente ata-me com firmeza,
adormeço o corpo e a minha imaginação,
tenciono entender a tranquilidade da minha respiração.
Na mortalidade que me assola, procuro a eternidade devida;
sou tocada pela insípida frustração e enfureço-me…;
aspiro a glória da perpetuidade inatingível,
e cobiço a paz eterna inacessível.
Orgulho…malfadado sentir jogado ao entulho.
Luxúria…punhal afiado de injúria.
Ganância…escrito mergulhado em arrogância.
Gula…tormenta obtusa.
Preguiça…Pensamentos à deriva.
Ira…angustiante mentira.
Inveja…guerrilha insípida de miséria.
Sete pecados mortais,
passados,
complexos e tão errantes na indigência da essência humana!

 

Obrigada Sandra Ramos!

A inspiração acontece por aqui:

YouTube: Coletânea de Literatura e Maratona Fotográfica

Facebook: https://www.facebook.com/hucilluc/

Instagram: https://instagram.com/hucilluc

Página da Direção-Geral do Património Cultural

Entrevista de Hucilluc a Sandra Ramos

Também pode gostar

Leave a Reply