Amor impossível, Vítor Encarnação

Repouso, exposição Da Grécia a Roma quando vence o Amor, 2019

Amor impossível, é um belíssimo texto de Vítor Encarnação que nos exorta a viver intensamente o amor e a vida.

“Só os que revelaram os abismos que os amantes trazem dentro de si atingiram a glória. Só os que rasgaram os corpos e enegreceram as almas, cegaram a luz, envenenaram o sangue e abriram abismos, tiveram direito à imortalidade. A dor é mais funda do que a alegria. Não há grandeza na rotina, nem na apatia.”
Obra de Cláudia Ferro
Pormenor de uma Obra da artista plástica Cláudia Ferro

 

Amor impossível

Não fiques triste. As histórias de amor mais bonitas são as impossíveis, as mais trágicas. Pensa nos livros, diz-me quais são as que perduram, diz-me quais são as que nos emocionam. Pensa, meu amor e diz-me se não são as que não têm futuro. Diz-me que autores contaram o amor banal, a relação rotineira, a paixão mortiça e se tornaram clássicos e incontornáveis. Nenhum, não há nenhum. Só os que contaram a loucura sobreviveram ao esquecimento. Só os que revelaram os abismos que os amantes trazem dentro de si atingiram a glória. Só os que rasgaram os corpos e enegreceram as almas, cegaram a luz, envenenaram o sangue e abriram abismos, tiveram direito à imortalidade. A dor é mais funda do que a alegria. Não há grandeza na rotina, nem na apatia. E queres tu que eu te ame assim sem ninguém dar por isso, assim sem sobressaltos, assim sem vertigens nos nossos corações. E queres tu que eu te ame e te dê a mão por entre roseiras e nos sentemos muitos quietos num banco de jardim e conheça os teus pais e nos casemos e compremos um apartamento e tenhamos filhos escuteiros. Como podemos nós fazer parte da história do amor belo e insano? Como podemos nós ser inesquecíveis se formos triviais?

Não fiques triste. Foge comigo para a impossibilidade. Ainda hão de ouvir falar de nós.

 

Obra de Cláudia Ferro
Texto de Vítor Encarnação: “Não fiques triste. Foge comigo para a impossibilidade.” Imagem obra da artista plástica Cláudia Ferro

 

Texto de Vítor Encarnação, imagens de obras da artista plástica Cláudia Ferro.

 

Também pode ler:

Levantar Cedo, Vítor Encarnação    Estiagem, Vítor Encarnação

Esquecimento, Vítor Encarnação  Língua mãe, Vítor Encarnação     Azeitonas, Vítor Encarnação

Hora Zero, Vítor Encarnação    Autoestima, Vítor Encarnação    O Livro do Tempo, Vítor Encarnação

Contentamento, Vítor Encarnação    Labirinto,  Vítor Encarnação      Entrevista de Vítor Encarnação

Também pode gostar

2 comentários

Deixar uma resposta