Flor de laranjeira, de Vítor Encarnação

Flor de Laranjeira um texto de Vítor Encarnação que nos incita a uns minutos de paz antes do corrermos no cumprimento dos deveres. Agora, quando puder e passar por uma laranjeira vou aceitar o convite de Vítor Encarnação e ficar mais um pouco, debaixo da árvore, ébria de perfume.

 

A minha laranjeira tem uma sombra grande como um sonho. Fechem os olhos, é mais fácil se fecharem os olhos, imaginem que estão debaixo da árvore ébrios de perfume, respirem fundo, estiquem as pernas, bebam o café calmamente, ainda faltam vinte minutos para irem trabalhar.

 

 

Flor de laranjeira

Gostava que estas letras tivessem cheiro. Se eu fosse alquimista não tentava descobrir a pedra filosofal, não, o que eu fazia era embeber estas palavras no aroma das flores da minha laranjeira. E se eu fosse ilusionista fazia deste papel a porta por onde se entra para o meu quintal. E se eu fosse mestre da ilusão trazia-vos todos para dentro desta página e sentava-vos a descansar à sombra da minha laranjeira. A minha laranjeira tem uma sombra grande como um sonho. Fechem os olhos, é mais fácil se fecharem os olhos, imaginem que estão debaixo da árvore ébrios de perfume, respirem fundo, estiquem as pernas, bebam o café calmamente, ainda faltam vinte minutos para irem trabalhar. Agora abram os olhos, vejam os pássaros poisados nos ramos, vejam as abelhas voando de flor em flor, vejam as folhas verdes a recortar o azul do céu, vejam o sol do céu a voar por entre as folhas verdes, vejam como as laranjas são sóis de açúcar poisados nos ramos. Ainda faltam dez minutos, não pensem nos compromissos, esqueçam os deveres, abstraiam-se dos barulhos do mundo, eu sei que para lá do meu quintal está o mundo à espera, mas fiquem só mais um bocadinho, ainda faltam cinco minutos, fechem novamente os olhos, respirem ainda mais fundo, escutem as abelhas e os pássaros e o silêncio.

É isto que eu faço, normalmente sozinho. Foi bom desta vez ter estado convosco.
Vítor Encarnação: “vejam como as laranjas são sóis de açúcar poisados nos ramos”

 

 

Também pode ler:

Já nada existe antes da primavera, Vítor Encarnação

Amor impossível, Vítor Encarnação

Levantar Cedo, Vítor Encarnação    Estiagem, Vítor Encarnação

Esquecimento, Vítor Encarnação  Língua mãe, Vítor Encarnação     Azeitonas, Vítor Encarnação

Hora Zero, Vítor Encarnação    Autoestima, Vítor Encarnação    O Livro do Tempo, Vítor Encarnação

Contentamento, Vítor Encarnação    Labirinto,  Vítor Encarnação      Entrevista de Vítor Encarnação

Também pode gostar

1 comentário

Deixar uma resposta