Senhora da Cola, um texto de Vítor Encarnação

Senhora da Cola, uma romaria de Nossa Senhora da Cola, da Misericórdia de Ourique, que entre os dias 7 e 8 de setembro, como tantas outras romarias por terras portuguesas, atraía centenas de visitantes. Vivemos um tempo muito particular, que nos obriga a manter o afastamento físico dos que nos são queridos e nos impedem de festejar e cumprir tradições seculares. Nas palavras de Vítor Encarnação:

“Este ano não há, mas se houvesse, para mim, seria mais ou menos isto:”

Senhora da Cola

Sei que este pó é o pó da minha infância porque o sinto na memória da pele. Conheço bem aqueles declives de terra e de tempo que passaram pela história dos meus olhos. ( Só é pena as bolotas não estarem já maduras ).

A música escancara o resto das lembranças. Os tambores – principalmente os tambores – dão voz à romaria, avivam-na, acentuam-na e as fardas azuis da banda filarmónica são um exército que reconquista o largo e o põe nos meus braços.

O largo, esse, está adornado de fitas, caiado de luz, temperado de hortelã.
As mulheres ougam o chão para desmanchar a força do calor e o cheiro das junças molhadas levanta-se tomando conta do ar, vestindo-o de grave, dando-lhe um sabor a ribeira.
Nalguns rostos notam-se os despojos da noite pagã.
Talvez restos de uma bebedeira de vinho ou de olhos. Ou de ambos.
Mas agora é hora de crer. A igreja é branca e as barras são azuis porque foi o céu que lhas fez.
O adro está pejado de gente. Pulsando. É ali o centro do mundo, o coração da serra, o útero do culto, o colo da Santa onde aquela gente toda se aconchega. É ali, no meio das pedras em torno da igreja que se ouvem ainda os gemidos de outros tempos das promessas pagas com o sangue dos joelhos derrubados, dos peitos rasgados. É ali, naquele miradouro de Deus que se dão velas do tamanho de cada dor que se tem, que se oferta a alma por cada vazio que se sente, que se reza uma oração por cada vida que se desmorona.
As lajes da entrada lavam os pés aos que acreditam. E em frente ao altar dourado o silêncio põe-se de joelhos.
Dobra-se. Quebrado. Em prece. Agradecendo, pedindo, suplicando. As mãos juntas agarram a força que vem do céu da igreja de Nossa Senhora da Cola. A fé está ali. Pressente-se.
Celebra-se a missa. O ar está quente por causa das velas e da exaltação.
Saboreia-se o corpo de Deus na boca.
Sai a procissão. Mulheres e homens selectos, num cortejo de entrega às alturas.

O andor assenta em cima dos ombros dos homens. São eles que carregam um peso que não é peso. É apenas o sopro do firmamento que lhes toca no corpo. Ou melhor, é como se a Santa os sustentasse a eles todos. À volta da igreja, a imagem da Santa é um farol que guia aquela fileira de gente, uma luz que redime e guia aqueles passos.
Alguns trocados. Outros perdidos. A estes quem lhes dera saber ter fé. Quem lhes dera poder acreditar no que fazem.

Há de tudo. Principalmente quando o mundo lhes esmaga os ombros na procissão da vida.
Gosto de lá ir.
Mais não sei dizer.

 

Do autor Vítor Encarnação pode ler:

A nossa praia, de Vítor Encarnação

Azul, de Vítor Encarnação

A vida é um rio, de Vítor Encarnação

Luz, um texto de Vítor Encarnação 

Encruzilhada, um texto de Vítor Encarnação;

Abraço, um texto de Vítor Encarnação 

Vinho, Vítor Encarnação;  

A serenidade nos tempos de vírus – Vítor Encarnação

Flor de Laranjeira, Vítor Encarnação 

Já nada existe antes da primavera, Vítor Encarnação 

Amor impossível, Vítor Encarnação

Levantar Cedo, Vítor Encarnação

Estiagem, Vítor Encarnação

Esquecimento, Vítor Encarnação

Língua mãe, Vítor Encarnação

Azeitonas, Vítor Encarnação

Hora Zero, Vítor Encarnação 

Autoestima, Vítor Encarnação

O Livro do Tempo, Vítor Encarnação

Contentamento, Vítor Encarnação

Labirinto,  Vítor Encarnação

Entrevista de Vítor Encarnação

Também pode gostar

Leave a Reply