Vinho, Vítor Encarnação

Vinho Obra de Cláudia Ferro

Vinho, porque conforme nos diz Vítor Encarnação:

A solidão gosta de vinho. O convívio também gosta de vinho. “

.

Vinho

As raízes do vinhedo agarram-se à nossa alma de xisto, granito e calcário e do nada, da poda, do ventre de um esqueleto castanho nascem folhas que se vão, lambidas pelo sol, inebriando de verde. E depois, lentamente, as uvas irrompem, iluminam-se e ganham forma de mulheres redondas. São mulheres tintas e mulheres brancas aos cachos enfeitando a planura.

Para as uvas ficarem mais doces, um silêncio de açúcar percorre a vinha toda.
E da secura dos torrões e do azul do céu aparecem bichos e pássaros à procura de um qualquer bago maduro.

Os homens querem que o Verão se despache. Querem que a insolação termine e a vindima chegue, querem que o imemorial ritual comece e que as uvas atinjam a maturação e derramem por fim a sua essência, pois o vinho é o sangue da terra a correr nas veias dos homens.

Quem faz vinho é um alquimista de sentidos. Quem faz vinho liquidifica o prazer. Dentro de um copo está o Alentejo todo: a história das gentes, a identidade de uma região, as tabernas, o sol teimoso, a lonjura, montados, cortiça, botas cardadas, noites perdidas, modas, restolho, cal.

O vinho tem palavras frutadas dentro dele. São adjectivos superlativos de superioridade, são verbos de tentação, substantivos brancos, exclamações tintas. O vinho é um diálogo entre um homem e a sua raiz.
Quem nunca pisou uma vinha e nunca entrou numa adega está incompleto. Falta-lhe ir a montante da seiva, perceber a complexidade, deixar entranhar o perfume, absorver o percurso todo.

Vinho, um texto de Vítor Encarnação e uma Obra da Artista Plástica Cláudia Ferro

Uma garrafa de vinho tem corpo de mulher. Observar a forma, passar os dedos pelo vidro, recitar o rótulo, sacar a rolha, encher o copo, são os preliminares de um absoluto contentamento gustativo.

O vinho é canções, poemas, desamores, sinfonias, sangue de Cristo. Cultura. Concílio dos Deuses. Arca de Noé. Fenícios. Gregos. Coisa da Odisseia. Paixão dos Romanos. Legionários. Gastronomia. Artistas. Baco.

A solidão gosta de vinho. O convívio também gosta de vinho. A carne gosta mais de vinho tinto, talvez Periquita, quem sabe Trincadeira ou Aragonez. O peixe gosta mais de vinho branco, quiçá Antão Vaz, Roupeiro ou Rabo de Ovelha.

O vinho gosta de queijo de Serpa, de casqueiro, cabeças de borrego, jantares de grão, migas, linguiça assada e sopas de tomate. Às vezes, o vinho é servido em copos grossos, encosta-se aos balcões e canta a despique, faz quadras, discute o destino. Outras vezes, deitado em copos de pé alto, o vinho é mais intelectual, lê livros, discute filosofia. Mas em ambos os casos é capaz de falar noites inteiras porque as bocas estão felizes.

Um jantar sem vinho é um jantar oco, uma mesa despida, um monólogo de dentes.
O vinho é coisa principal, pois ele é um rio a correr alegremente entre as margens de uma açorda de coentros.

 

Texto de Vítor Encarnação, imagens de Obras da Artista Plástica Cláudia Ferro

Do autor Vítor Encarnação pode ler:

A serenidade nos tempos de vírus – Vítor Encarnação    Flor de Laranjeira, Vítor Encarnação 

Já nada existe antes da primavera, Vítor Encarnação  Amor impossível, Vítor Encarnação

Levantar Cedo, Vítor Encarnação    Estiagem, Vítor Encarnação

Esquecimento, Vítor Encarnação  Língua mãe, Vítor Encarnação     Azeitonas, Vítor Encarnação

Hora Zero, Vítor Encarnação    Autoestima, Vítor Encarnação    O Livro do Tempo, Vítor Encarnação

Contentamento, Vítor Encarnação    Labirinto,  Vítor Encarnação      Entrevista de Vítor Encarnação

 

Também pode gostar

1 comentário

Leave a Reply